Marine Le Pen n’est pas la bienvenue: O que escreveu a imprensa francesa sobre o convite e ‘desconvite’ para o Web Summit

  • Lusa
  • 16 Agosto 2018

A retirada do convite a Marine Le Pen para assistir à Web Summit em Lisboa foi noticiada em algumas edições online e numa crónica de rádio com uma canção paródica em França.

A retirada do convite a Marine Le Pen para assistir à Web Summit em Lisboa não teve destaque nos diários franceses desta quinta-feira, mas foi noticiada em algumas edições online e numa crónica de rádio com uma canção paródica.

Esta manhã, a estação France Inter contou que “Marine Le Pen não é bem-vinda em Portugal“, numa crónica que terminou com uma música em jeito de “conselho” à líder da extrema-direita francesa. Antes da canção, a estação de rádio relatou, brevemente, o “sobressalto” do Bloco de Esquerda ao considerar que as declarações de Marine Le Pen “incitam à raiva, à xenofobia e ao racismo” e acrescentou que “várias vozes, inclusivamente no PS, denunciaram a vinda da ‘madame’ Le Pen como intolerável“.

“A conclusão de tudo isto é como diz a canção: para viajar mais facilmente, Marine Le Pen deveria fazer com ‘que toda a gente gostasse dela‘”, concluiu a crónica da France Inter, seguida pela música do artista Ben Popp: “Se eu fosse a Marine Le Pen, faria com que todos me amassem, desde os imigrantes, aos clandestinos, dos europeus aos americanos?” Na sua edição online, o Journal du Dimanche (JDD) retomou uma notícia da agência Reuters e titulou que “face à polémica, Marine Le Pen foi riscada da lista de convidados da Web Summit”.

Crónica da France Inter

O JDD explicou que “os organizadores deste “Davos da Tecnologia” indicaram, na quarta-feira, que a presidente do ‘Rassemblement national’ já não era bem-vinda, depois de várias vozes se terem manifestado contra a sua presença, nomeadamente na esquerda portuguesa”. O jornal acrescentou que “a polémica também agitou as redes sociais, nas quais muitos internautas sublinharam a mensagem antidemocrática que a ida de Marine Le Pen poderia suscitar”.

O HuffPost escreveu que “afinal, foi um não” e que Marine Le Pen acabou “afastada da Web Summit após uma longa polémica“. O portal explicou que a Web Summit “é a oportunidade para milhares de startup se encontrarem e tentarem seduzir investidores” e lembrou que “em 2017, a sua organização já tinha sido alvo de críticas após um jantar festivo no Panteão nacional“. O mesmo reparo sobre o jantar no Panteão foi feito na edição online da revista L’Express, que retomou a notícia da agência France Presse, e que titulou que “o convite de Marine Le Pen para a Web Summit foi anulado face à polémica”.

A partir da AFP, também a página internet da revista Le Point descreveu a “polémica após o convite a Marine Le Pen” e noticiou que “os organizadores da Web Summit foram vivamente criticados por terem convidado a dirigente do Rassemblement national”. A edição online do Courier International retomou um excerto da crónica desta quinta-feira de João Miguel Tavares no jornal Público: O convite à senhora Le Pen é polémico, sem dúvida. Mas bem mais grave é isto: há uma mania muito contemporânea de querer cortar o pio às opiniões que consideramos abjetas. E isso representa um retrocesso político escandaloso para quem acredita no respeito pela liberdade de pensamento e de expressão.”

A Lusa tentou obter uma reação de Marine Le Pen à retirada do convite para a Web Summit, evento que se realiza pelo terceiro consecutivo na capital portuguesa, mas nem ela nem o seu partido querem comentar, de acordo com a assessoria de imprensa.

O presidente executivo da Web Summit, o irlandês Paddy Cosgrave, anunciou, esta quarta-feira, no Twitter que decidiu retirar o convite à líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen. Numa série de tweets, Cosgrave explicou que a sua equipa, “com base nos conselhos” que recebeu e “na ampla reação online ao longo da noite”, concluiu que a presença de Le Pen “é desrespeitosa em particular para o país anfitrião” e “para alguns entre as dezenas de milhares de participantes” de todo o mundo que acorrem ao evento tecnológico e de inovação.

O responsável frisou que “a questão do ódio, liberdade de expressão e plataformas tecnológicas é decisiva em 2018”, pelo que a Web Summit “vai redobrar esforços para abordar esta difícil questão com mais cuidado”. O convite a Marine Le Pen suscitou polémica depois de o Bloco de Esquerda e a Associação SOS Racismo terem exigido às entidades envolvidas na organização do evento que tomassem uma posição pública.

Cosgrave reagiu num primeiro momento, explicando a decisão e afirmando que se o Governo português pedisse, aceitaria retirar o convite. Esta quarta-feira, o Ministério da Economia anunciou em comunicado que não tem intervenção na “seleção de oradores” do Web Summit e que valoriza a sua realização em Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marine Le Pen n’est pas la bienvenue: O que escreveu a imprensa francesa sobre o convite e ‘desconvite’ para o Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião