Quem são as herdeiras de Pedro Queiroz Pereira?

A sucessão do grupo Semapa foi preparada fora da família e entregue a gestores profissionais. Mas as três filhas de PQP estão na administração do grupo e herdam uma fortuna avaliada em 790 milhões.

A morte de Pedro Queiroz Pereira vem mudar o panorama industrial português. Depois do desaparecimento de Américo Amorim (julho de 2017) e de Belmiro de Azevedo (novembro de 2017) é agora a vez de outra das figuras maiores do mundo empresarial desaparecer.

Pedro Queiroz Pereira, patrão da Semapa e detentor de uma fortuna avaliada em mais de 790 milhões de euros era, segundo a Forbes, o quinto mais rico de Portugal. Os três empresários e industriais, apesar de gerações diferentes (PQP era o mais novo dos três), deixam três dos maiores grupos empresariais nacionais. E em cada um dos casos, a sucessão — apesar de diferente –, foi bem delineada.

Se, no caso de Belmiro e Amorim, a sucessão foi encontrada dentro da família — na Sonae, a gestão foi entregue a Paulo Azevedo, que agora a passa a Cláudia e, no grupo Amorim, que ficou sob a alçada de Paula Amorim. No caso do patrão da Semapa o caso foi diferente.

O industrial que morreu este sábado, em Ibiza, construiu um dos maiores grupos industriais do país, a Semapa, com as posições de controlo da Secil e da Navigator (antiga Portucel), e tratou de acautelar o futuro do grupo, entregando a gestão a profissionais, fora da esfera familiar. A liderança executiva da Navigator ficou nas mãos de Diogo da Silveira e a da Semapa (holding que detém as empresas Secil e Navigator e onde a família assegura 70% do capital), entregue a João Castello Branco.

Para si, PQP guardou a presidência do grupo, tendo mesmo este ano decidido alargar o número de membros do conselho de administração de 11 para 14, incluindo assim as três filhas: Filipa, Mafalda e Lua.

Esta decisão surgiu depois de, no ano passado, Pedro Queiroz Pereira ter criado um fundo privado e fechado, repartido pelas herdeiras — o industrial era viúvo desde 2014. A medida visava impedir as filhas de vender o património para que este se mantivesse na família. E, sobretudo, que se manteria longe do alcance da irmã, Maude, com quem se incompatibilizara entretanto.

Tal como o pai, as filhas são avessas aos meios mediáticos e, tal como o pai, tem mostrado artes para o… desporto. Mafalda Queiroz Pereira chegou mesmo a participar nos Jogos Olímpicos de inverno, em 1998, em Nagano, Japão. Já Lua tem créditos firmados no hipismo onde, para além de atleta é também empresária. A mais velha, Filipa, é licenciada em matemáticas aplicadas com uma pós-graduação em Harvard em Sistemas de Informação.

Agora, herdam uma fortuna e, sobretudo, um grupo industrial que o pai ergueu depois de ter vindo do Brasil, virado para os cimentos e florestas. O poder segue agora no feminino.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem são as herdeiras de Pedro Queiroz Pereira?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião