Arrendar quarto está cada vez mais caro. Em Lisboa, preço médio já vai em 323 euros

Alugar um quarto na capital lisboeta ronda agora os 323 euros por mês, de acordo com o último estudo de arredamento de quartos em Portugal realizado pelo Idealista.

A procura de quartos para arrendar duplicou em apenas um ano, de acordo com o estudo anual de arrendamento de quartos em Portugal realizado pelo Idealista. Com a elevada procura, os preços dos quartos disparou 6,7% face ao período homólogo de 2017. O preço médio para alugar um quarto em Portugal situa-se agora nos 254 euros por mês.

Lisboa continua a ser o distrito mais caro, no que toca ao aluguer de um quarto. O custo médio mensal ronda os 323 euros mensais. Segue-se o Porto, onde os preços rondam os 261 euros por mês. O terceiro lugar da lista é liderado por Setúbal (244 euros mensais), seguindo-se Braga (196 euros por mês).

No lado oposto, os distritos em que arrendar um quarto é mais económico são Santarém (169 euros), Leiria (180 euros) e Coimbra (190 euros).

Os maiores aumentos, de 2017 para 2018, foram registados nos principais distritos do país. A maior subida foi em Setúbal, que segue a tendência nacional e vê os preços aumentarem em 9,9%. No segundo lugar do ranking dos aumentos está o Porto, que regista aumentos na ordem dos 8%. Alugar um quarto em Leiria aumentou de preço em 6,7%, em Lisboa 4,9% e, em Coimbra, os preços viram uma subida de 3,7%

Santarém, pelo contrário, foi o único que apresentou uma descida no preço de arrendamento de quartos, menos 8,7%.

Qual é o perfil de quem partilha casa em Portugal?

O estudo realizado pelo Idealista permitiu concluir, ainda, qual o perfil das pessoas que atualmente dividem casa em Portugal.

  • Têm 33 anos;
  • Vivem no centro de grandes cidades;
  • Não fumam, ainda que sejam tolerantes com quem fuma;
  • Não têm e nem sequer permitem animais de estimação.

A idade média dos habitantes de uma casa partilhada varia, no entanto, em função da zona geográfica. Em Setúbal e Santarém, a média das idades dos inquilinos ronda os 37 e os 34 anos, respetivamente. Já em Lisboa, Porto e Braga, a média de idades é de 33 anos para as três cidades. Tradicionalmente estudantil, não é grande surpresa que Coimbra apresente uma média de idades mais baixa. Nesta cidade, as pessoas que partilham casa têm idades perto dos 27 anos.

Quanto ao género, em 79% das casas convivem ambos os sexos, enquanto em 15,8% vivem apenas mulheres e em 5,1% somente homens.

As estatísticas divulgadas no relatório revelam que o arrendamento de quartos deixou de ser uma opção habitacional apenas para estudantes, sendo agora, e cada vez mais, uma opção eleita por jovens nos seus primeiros anos no mercado de trabalho e, em alguns casos, até mais tarde.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arrendar quarto está cada vez mais caro. Em Lisboa, preço médio já vai em 323 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião