Breadfast compra concorrente A Tigela Nova

Startup portuguesa quer apostar em novas áreas de negócio como bem-estar e hábitos de vida saudáveis e decidiu investir numa marca reconhecida no mercado.

A portuguesa Breadfast, startup de distribuição de pequenos-almoços ao domicílio, acaba de compra a concorrente A Tigela Nova. De acordo com a empresa, a aquisição surge da aposta em novas áreas de negócio relacionadas com o bem-estar e a promoção de hábitos de vida saudável. “Ao invés de tentarmos construir um novo segmento de raiz, optámos por investir numa marca que já fosse reconhecida no mercado e A Tigela Nova era sem dúvida o melhor serviço de breakfast delivery com oferta de produtos vegan”, explica Mário Tarouca, fundador e CEO da Breadfast,

A aquisição acontece depois de várias semanas de negociação. Na sequência do negócio, a Breadfast passa a integrar as duas equipas e as duas marcas. “A Breadfast foca-se na oferta de um pequeno-almoço mais tradicional e tipicamente português, enquanto A Tigela Nova responde às necessidades do público que procura uma opção mais saudável”, explica Tarouca ao ECO. Além de se dedicarem às preferências de clientes distintos, as sinergias existentes fizeram os responsáveis pelas duas empresas acharem que “seria mais benéfico unir esforços para dominar o mercado do que manter uma concorrência direta que traria menos benefícios a longo prazo”.

A fusão das duas marcas e o aumento de recursos dão-nos uma oportunidade para desenvolver economias de escala e de conhecimento que irão certamente aumentar a nossa capacidade de produção e distribuição.

Mário Tarouca

Fundador e CEO da Breadfast

Nos planos para os próximos meses está melhorar o modelo de negócio da empresa de maneira a, por um lado, tornar a produção e distribuição mais eficientes e, por outro, identificar o target ideal e a maneira de chegar a ele da forma mais eficaz possível.

“A fusão das duas marcas e o aumento de recursos dão-nos uma oportunidade para desenvolver economias de escala e de conhecimento que irão certamente aumentar a nossa capacidade de produção e distribuição. No fim, o nosso principal foco é melhorar a qualidade do serviço que oferecemos aos atuais e futuros clientes de ambas as marcas”, adianta o responsável, sublinhando que a aquisição da concorrente vai permitir à Breadfast “reforças as operações e as vendas, aumentando largamente a capacidade de produção e de distribuição”.

“Para além disso, estamos sempre à procura de novos clientes, idealmente, empresas que gerem alojamentos locais e que pretendam oferecer um serviço de pequeno-almoço aos seus hóspedes ou, então, empresas que queiram oferecer o nossos serviço aos seus colaboradores numa base regular, como por exemplo, surpreendê-los no seu dia de aniversário”, acrescenta Mário Tarouca.

Criada no início de 2018, a Breadfast faz parte do grupo com o mesmo nome e dedica-se a entregas de pequeno-almoços, feitas de segunda-feira a domingo, entre as 7h00 e as 11h00. Na carteira de clientes da empresa estão 55 empresas, tanto corporate como gestoras de alojamentos locais. No último mês, a empresa tem ainda promovido o Programa de Parceiros que se destina a anfitriões de Alojamentos Locais em Lisboa, e que conta já com 45 parceiros e 350 apartamentos abrangidos. A equipa conta, de momento, com quatro pessoas em regime full-time e vários condutores.

Comentários ({{ total }})

Breadfast compra concorrente A Tigela Nova

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião