Há dois novos sinais de trânsito… mas só na Madeira

  • Lusa
  • 21 Agosto 2018

Os dois novos sinais de trânsito baseados num modelo francês que permite circular com mais ou menos velocidade nas vias. Em piso seco, condutores têm bónus de 10 quilómetros/hora.

A Região Autónoma da Madeira (RAM) tem dois novos sinais de trânsito baseados num modelo francês que permite circular com mais ou menos velocidade nas vias.

Depois do visto dado pelo Representante da República, os dois novos sinais de trânsito vão assinalar “nas vias rápidas ou vias expresso, o início e o fim da existência de estradas ou troços de estradas com diferentes limites de velocidade para a circulação em piso seco e em piso molhado”, refere um diploma publicado no jornal oficial.

“A medida é simples. Se o piso estiver seco, o condutor pode circular 10 quilómetros/hora acima do que está indicado na sinalização da via. Se o piso estiver molhado, respeita os limites impostos”, explicou à Lusa o secretário regional dos Equipamentos e Infraestruturas, Amílcar Gonçalves.

Fonte: RTPRTP

“A aprovação dos novos limites de velocidade, e da sinalização adequada a assinalá-los, tem enquadramento nas duas convenções que Portugal ratificou sobre esta matéria: a Convenção sobre a Sinalização Rodoviária, adotada em Viena em 8 de novembro de 1968 e a Convenção sobre a Circulação Rodoviária, adotada em Viena na mesma data”, diz o diploma.

Era intenção do executivo “ver os novos sinais instalados nos ramais de entrada da via rápida e via expresso em outubro, coincidindo com o regresso às aulas.”

O novo sinal tem a indicação da via em causa (como “VR1”, relativo à via regional 1), seguido de um sol e da indicação “+10 km/h”.

Abaixo há uma nuvem com chuva e o sinal para cumprimento da velocidade máxima estabelecida para o local em causa (“VMax”).

O segundo sinal criado indica o fim da área em que o primeiro sinal está em vigor.

As vias expresso e rápidas da Madeira compreendem um total de 113 quilómetros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há dois novos sinais de trânsito… mas só na Madeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião