S&P 500 atinge máximo histórico

O índice de referência norte-americano bateu esta terça-feira o recorde que tinha alcançado no final de janeiro. A meio desta sessão, o S&P 500 bateu os 2.872,87 pontos, um máximo de sempre.

O principal índice bolsista em Wall Street atingiu esta terça-feira um máximo histórico, naquele que caminha para ser considerado o maior período de bull market da história e que, esta quarta-feira, completa 3.453 dias.

A meio desta sessão, o S&P 500 bateu os 2.873,23 pontos, estando a valorizar cerca de 0,57%. É preciso recuar até 26 de janeiro deste ano para encontrar o máximo anterior, que era de 2.872 pontos.

As empresas tecnológicas estão a liderar os ganhos em Wall Street. A Amazon valoriza 0,99% para 1895,23 dólares, enquanto a Alphabet soma 0,61% para 1228,95 dólares. Já a Apple, a maior cotada norte-americana, está a avançar 0,65% para os 216,86 dólares. A fabricante Boeing, outro dos pesos pesados da bolsa, está a valorizar 0,68% para os 353,1 dólares.

Desde o início de 2017, o S&P 500 já valorizou 26%. Concretamente, nas últimas semanas, as ações das cotadas norte-americanas têm beneficiado dos bons resultados apresentados pelas empresas. Esse fator tem ofuscado alguns receios em torno da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Os restantes índices da bolsa americana acompanham a tendência positiva registada pelo índice de referência nesta sessão. O tecnológico Nasdaq soma 0,85% para os 7.433,74 pontos, a menos de 1% de atingir máximos históricos, de acordo com a CNBC. O industrial Dow Jones também está a avançar, na ordem dos 0,45%, para os 25.874,13.

(Notícia atualizada às 18h30 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P 500 atinge máximo histórico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião