O que disse Centeno sobre a “saída limpa” de Portugal e, agora, da Grécia

"O crescimento económico foi retomado", diz Centeno do Eurogrupo sobre a Grécia. "A economia portuguesa apresenta um crescimento anémico", dizia Centeno ministro sobre Portugal.

A 2 de dezembro de 2015, Mário Centeno subia ao púlpito da Assembleia da República para fazer a primeira intervenção enquanto ministro das Finanças. O Centeno de então era ministro há uma semana e não estava impressionado com o desempenho de Portugal, muito menos com a “saída limpa” do programa de assistência financeira anunciada por Pedro Passos Coelho um ano e meio antes. Mas o Centeno de então não está hoje no Eurogrupo. “O resultado pequeno para uma propaganda enorme” que via em Portugal transformou-se num “regresso ao normal” e numa “recuperação do controlo” na análise que faz agora da Grécia. E o “crescimento anémico” que via na economia portuguesa transformou-se na “retoma” do crescimento económico que vê na Grécia.

“Hoje é um dia especial para a Grécia. O seu programa de assistência chega ao fim depois de um caminho longo e sinuoso, através do qual todos aprendemos as nossas lições. Mas isso, agora, é história. Hoje, o crescimento económico foi retomado, estão a ser criados novos empregos, há um excedente orçamental e comercial, a economia foi reformada e modernizada“, disse o Centeno de hoje, num vídeo publicado no Twitter, a propósito do final do terceiro programa de ajuda financeira à Grécia.

As palavras foram mal recebidas, sobretudo, pela esquerda. “Parece uma máquina de propaganda norte-coreana”, comparou Yanis Varoufakis, antigo ministro das Finanças grego. “Um vídeo lamentável que apaga o desastre que foi o programa de ajustamento grego e branqueia todo o comportamento das instituições europeias”, criticou o deputado socialista João Galamba. “Um vídeo ridículo para quem tem alguma noção do que aconteceu na Grécia, insultuoso para os gregos e esclarecedor para os portugueses”, disse o bloquista José Gusmão. “É infundada a tentativa de apresentação do chamado fim do resgate à Grécia como uma decisão favorável aos trabalhadores e ao povo grego”, declarou ainda o PCP.

À direita, o CDS-PP criticou a incoerência. “É impossível achar que é a mesma pessoa quando fala no Parlamento português e na Europa”, disse o deputado João Almeida, em declarações ao Expresso. “A execução do programa foi muito mais bem sucedida em Portugal, e isso não ser reconhecido é completamente incoerente”, acrescentou.

As críticas ganham especial relevância se se recordar o que Centeno dizia há três anos sobre o fim do programa de ajustamento em Portugal.

“Hoje, é claro quem é que estava a viver acima das suas possibilidades. Sabemos que essas possibilidades, hoje, são muito menores para o milhão e meio de portugueses que ganha menos de 600 euros por mês. Hoje, caídas todas as máscaras, e levantados todos os véus, percebemos que a expressão ‘saída limpa’ foi um resultado pequeno para uma propaganda enorme“, afirmou Mário Centeno no primeiro discurso que fez no Parlamento, no dia 2 de dezembro de 2015, quando era apresentado o programa de Governo.

Hoje, caídas todas as máscaras, e levantados todos os véus, percebemos que a expressão ‘saída limpa’ foi um resultado pequeno para uma propaganda enorme.

Mário Centeno

Ministro das Finanças

O ministro das Finanças ia mais longe e desvalorizava a tímida recuperação económica que então se registava. “A economia portuguesa apresenta um crescimento anémico, em que o investimento teima em não aparecer. Em que, pelo esforço das empresas e dos trabalhadores, se conseguiu conter a destruição de emprego. Mas esse esforço traduziu-se numa redução inédita dos salários e também num aumento nunca visto da imigração”, comentava.

No final de 2014, ano em que Portugal terminou o programa de ajuda financeira, a economia portuguesa cresceu 0,9%, depois de ter registado uma contração de 1,1% em 2013. Já no ano de 2015, quando Centeno falava pela primeira vez no Parlamento, o PIB português cresceu 1,8%. A taxa de desemprego em Portugal estava a baixar de 14,1% no final de 2014 para 12,6% no final de 2015. A taxa de emprego estava nos 63% no final de 2014 e aumentou para 64% no ano seguinte.

Hoje, pelo contrário, o presidente do Eurogrupo destaca a retoma económica da Grécia. “Hoje, o crescimento económico foi retomado, estão a ser criados novos empregos, há um excedente orçamental e comercial, a economia foi reformada e modernizada”.

A Grécia terá registado um aumento do PIB de 1,4% no ano passado, depois de uma queda de 0,2% em 2016. A taxa de desemprego grega estava nos 21,5% no final do ano passado, abaixo dos 23,6% que registou em 2016. Já a taxa de emprego está nos 53%.

O crescimento económico foi retomado, estão a ser criados novos empregos, há um excedente orçamental e comercial, a economia foi reformada e modernizada.

Mário Centeno

Presidente do Eurogrupo

A mensagem de cautela que hoje deixa à Grécia também não era a mesma que há três anos deixava para Portugal. Apesar de a consolidação orçamental, com a redução do défice e da dívida pública como bandeira, ter sido sempre uma prioridade deste Governo, que tem sido cumprida, Mário Centeno apelava, em 2015, ao regresso à “normalidade económica” através da reposição de rendimentos.

A normalidade económica só será conseguida com uma redução efetiva da carga fiscal, para as famílias e para as empresas. É urgente aliviar o espartilho económico, para que as empresas possam investir e criar emprego e para que as famílias possam desenvolver com dignidade as suas aspirações”, dizia Centeno ministro sobre Portugal. “A Grécia recuperou o controlo pelo qual lutou. Com controlo, vem responsabilidade. A Grécia pagou caro pelas más políticas do passado, por isso, voltar atrás seria um erro“, diz Centeno do Eurogrupo sobre a Grécia.

O peso dos impostos e contribuições sociais em Portugal atingiu, no ano passado, o valor mais elevado em, pelo menos, 22 anos, mas continua a estar abaixo da média europeia. A carga fiscal atingiu os 34,7% do PIB português no ano passado, acima do anterior recorde de 34,6% que tinha sido registado em 2015. Em 2014, estava nos 34,3%. No ano passado, a Grécia tinha uma carga fiscal em linha com a média europeia, pouco acima dos 39% do PIB.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que disse Centeno sobre a “saída limpa” de Portugal e, agora, da Grécia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião