O que disse Centeno sobre a “saída limpa” de Portugal e, agora, da Grécia

"O crescimento económico foi retomado", diz Centeno do Eurogrupo sobre a Grécia. "A economia portuguesa apresenta um crescimento anémico", dizia Centeno ministro sobre Portugal.

A 2 de dezembro de 2015, Mário Centeno subia ao púlpito da Assembleia da República para fazer a primeira intervenção enquanto ministro das Finanças. O Centeno de então era ministro há uma semana e não estava impressionado com o desempenho de Portugal, muito menos com a “saída limpa” do programa de assistência financeira anunciada por Pedro Passos Coelho um ano e meio antes. Mas o Centeno de então não está hoje no Eurogrupo. “O resultado pequeno para uma propaganda enorme” que via em Portugal transformou-se num “regresso ao normal” e numa “recuperação do controlo” na análise que faz agora da Grécia. E o “crescimento anémico” que via na economia portuguesa transformou-se na “retoma” do crescimento económico que vê na Grécia.

“Hoje é um dia especial para a Grécia. O seu programa de assistência chega ao fim depois de um caminho longo e sinuoso, através do qual todos aprendemos as nossas lições. Mas isso, agora, é história. Hoje, o crescimento económico foi retomado, estão a ser criados novos empregos, há um excedente orçamental e comercial, a economia foi reformada e modernizada“, disse o Centeno de hoje, num vídeo publicado no Twitter, a propósito do final do terceiro programa de ajuda financeira à Grécia.

As palavras foram mal recebidas, sobretudo, pela esquerda. “Parece uma máquina de propaganda norte-coreana”, comparou Yanis Varoufakis, antigo ministro das Finanças grego. “Um vídeo lamentável que apaga o desastre que foi o programa de ajustamento grego e branqueia todo o comportamento das instituições europeias”, criticou o deputado socialista João Galamba. “Um vídeo ridículo para quem tem alguma noção do que aconteceu na Grécia, insultuoso para os gregos e esclarecedor para os portugueses”, disse o bloquista José Gusmão. “É infundada a tentativa de apresentação do chamado fim do resgate à Grécia como uma decisão favorável aos trabalhadores e ao povo grego”, declarou ainda o PCP.

À direita, o CDS-PP criticou a incoerência. “É impossível achar que é a mesma pessoa quando fala no Parlamento português e na Europa”, disse o deputado João Almeida, em declarações ao Expresso. “A execução do programa foi muito mais bem sucedida em Portugal, e isso não ser reconhecido é completamente incoerente”, acrescentou.

As críticas ganham especial relevância se se recordar o que Centeno dizia há três anos sobre o fim do programa de ajustamento em Portugal.

“Hoje, é claro quem é que estava a viver acima das suas possibilidades. Sabemos que essas possibilidades, hoje, são muito menores para o milhão e meio de portugueses que ganha menos de 600 euros por mês. Hoje, caídas todas as máscaras, e levantados todos os véus, percebemos que a expressão ‘saída limpa’ foi um resultado pequeno para uma propaganda enorme“, afirmou Mário Centeno no primeiro discurso que fez no Parlamento, no dia 2 de dezembro de 2015, quando era apresentado o programa de Governo.

Hoje, caídas todas as máscaras, e levantados todos os véus, percebemos que a expressão ‘saída limpa’ foi um resultado pequeno para uma propaganda enorme.

Mário Centeno

Ministro das Finanças

O ministro das Finanças ia mais longe e desvalorizava a tímida recuperação económica que então se registava. “A economia portuguesa apresenta um crescimento anémico, em que o investimento teima em não aparecer. Em que, pelo esforço das empresas e dos trabalhadores, se conseguiu conter a destruição de emprego. Mas esse esforço traduziu-se numa redução inédita dos salários e também num aumento nunca visto da imigração”, comentava.

No final de 2014, ano em que Portugal terminou o programa de ajuda financeira, a economia portuguesa cresceu 0,9%, depois de ter registado uma contração de 1,1% em 2013. Já no ano de 2015, quando Centeno falava pela primeira vez no Parlamento, o PIB português cresceu 1,8%. A taxa de desemprego em Portugal estava a baixar de 14,1% no final de 2014 para 12,6% no final de 2015. A taxa de emprego estava nos 63% no final de 2014 e aumentou para 64% no ano seguinte.

Hoje, pelo contrário, o presidente do Eurogrupo destaca a retoma económica da Grécia. “Hoje, o crescimento económico foi retomado, estão a ser criados novos empregos, há um excedente orçamental e comercial, a economia foi reformada e modernizada”.

A Grécia terá registado um aumento do PIB de 1,4% no ano passado, depois de uma queda de 0,2% em 2016. A taxa de desemprego grega estava nos 21,5% no final do ano passado, abaixo dos 23,6% que registou em 2016. Já a taxa de emprego está nos 53%.

O crescimento económico foi retomado, estão a ser criados novos empregos, há um excedente orçamental e comercial, a economia foi reformada e modernizada.

Mário Centeno

Presidente do Eurogrupo

A mensagem de cautela que hoje deixa à Grécia também não era a mesma que há três anos deixava para Portugal. Apesar de a consolidação orçamental, com a redução do défice e da dívida pública como bandeira, ter sido sempre uma prioridade deste Governo, que tem sido cumprida, Mário Centeno apelava, em 2015, ao regresso à “normalidade económica” através da reposição de rendimentos.

A normalidade económica só será conseguida com uma redução efetiva da carga fiscal, para as famílias e para as empresas. É urgente aliviar o espartilho económico, para que as empresas possam investir e criar emprego e para que as famílias possam desenvolver com dignidade as suas aspirações”, dizia Centeno ministro sobre Portugal. “A Grécia recuperou o controlo pelo qual lutou. Com controlo, vem responsabilidade. A Grécia pagou caro pelas más políticas do passado, por isso, voltar atrás seria um erro“, diz Centeno do Eurogrupo sobre a Grécia.

O peso dos impostos e contribuições sociais em Portugal atingiu, no ano passado, o valor mais elevado em, pelo menos, 22 anos, mas continua a estar abaixo da média europeia. A carga fiscal atingiu os 34,7% do PIB português no ano passado, acima do anterior recorde de 34,6% que tinha sido registado em 2015. Em 2014, estava nos 34,3%. No ano passado, a Grécia tinha uma carga fiscal em linha com a média europeia, pouco acima dos 39% do PIB.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O que disse Centeno sobre a “saída limpa” de Portugal e, agora, da Grécia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião