Trump trama Wall Street. S&P 500 cai após recorde

As declarações de Cohen, ex-advogado de Trump, incriminando o presidente norte-americano, estão a pesar em Wall Street.

As principais praças norte-americanas abriram a sessão, desta quarta-feira, em terreno negativo depois do ex-advogado de Trump se ter declarado culpado de fraude fiscal e bancária e de violações no financiamento da campanha eleitoral e ter implicado o presidente americano.

O S&P 500, que esta terça-feira tinha batido o recorde alcançado em janeiro deste ano, abriu a sessão a cair 0,10% para os 2.860,23 pontos, enquanto o Dow Jones está a cair 0,04% para os 25813,58 pontos. O tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,05% para os 7854,29 pontos.

Trump volta assim a influenciar os mercados, no dia em que serão conhecidas as minutas da última reunião da Reserva Federal (Fed), e em que se deve reafirmar a confiança do banco central na economia dos Estados Unidos e o seu compromisso com futuros aumentos de juros.

De resto, ainda esta semana Trump veio criticar Jerome Powell, presidente da Fed, acusando-o de nada fazer para ajudar o crescimento da economia americana.

Art Hogan, estratega de mercado da B.Riley FBR, em Nova Iorque, citado pela Reuters, adianta que “os mercados estão apenas a fazer uma pausa para ver o que dizem as minutas da Fed. O maior impulsionador do mercado atualmente é a política, e os investidores certamente estão curiosos para ver o que dizem as atas”.

Também esta quarta-feira são retomadas as negociações sobre o comércio entre os EUA e a China, e apesar de Trump já ter vindo baixar as expectativas, os investidores continuam à espera que algo de positivo aconteça.

Em destaque na sessão estão os títulos das energéticas impulsionados pelo aumento do preço do petróleo, com a Exxon e a Chevron a valorizarem 0,6% e 0,8%, respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump trama Wall Street. S&P 500 cai após recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião