“Coar.gato.trens”? É a nova morada do Parlamento… na Cabify

Três palavras aleatórias, separadas por pontos. É o novo sistema de moradas da Cabify, que permite que faça uma viagem até um ponto exato no mapa da cidade. "Coar.gato.trens" vai dar ao Parlamento.

A nova parceria da Cabify permite definir destinos com grande precisão. Os sítios ganham a designação de três palavras aleatórias, separadas por pontos.Paula Nunes/ECO

Quer ir até ao Parlamento num Cabify? Escolha “coar.gato.trens” como destino. Quer ficar em frente ao Arco da Rua Augusta? Vá para “eleger.boiar.iguais”. Já se escrever “tento.cozer.índice”, o motorista irá parar mesmo junto à porta do ECO.

A Cabify dividiu o mapa de Portugal numa grelha de quadrados de três por três metros com a ajuda da startup britânica what3words. Até aqui, se escolhesse o Terreiro do Paço como destino, o fim da viagem seria sempre no mesmo local. Com esta nova grelha, os utilizadores podem pedir uma viagem para uma localização exata, com precisão de três metros.

É como um novo tipo de morada, designada por três palavras aleatórias do dicionário, separadas por pontos. O resultado será sempre uma combinação de palavras que dificilmente farão sentido.

Embora já seja possível definir estes locais como destino, a implementação completa da nova funcionalidade só chegará ao telemóvel dos utilizadores “nas próximas semanas”, de acordo com a empresa. É na próxima atualização do aplicativo da Cabify que poderá descobrir qual o código de três palavras que lhe permitirá viajar de qualquer sítio até à porta da sua casa, por exemplo. Ou até à esquina de uma rua. Pode ter uma ideia geral do funcionamento do sistema se instalar diretamente a aplicação da what3words, disponível nas principais lojas de aplicações.

“Para os motoristas, o maior nível de precisão que a what3words oferece irá eliminar o desafio de procurar os pontos de origem e de destino. Seja uma porta específica, a entrada de um estádio, uma esquina de uma rua ou a porta de um jardim, a possibilidade de os utilizadores introduzirem localizações exatas permitirá um planeamento de rota mais eficiente. Ao mesmo tempo, torna a experiência mais conveniente para os utilizadores, os quais frequentemente perdem tempo a indicar aos motoristas a sua localização exata”, indica a Cabify Portugal num comunicado divulgado esta quarta-feira.

Este novo sistema pode ser confuso à primeira vista. Mas propõe-se a resolver um problema que pode acontecer a alguns utilizadores que viajam para certos destinos. Existem localizações predefinidas nos mapas digitais das cidades que podem levar a que a viagem termine nas traseiras de um prédio, por exemplo. É o resultado de erros de cálculo por parte do algoritmo que faz esta tecnologia funcionar. A tecnologia da what3words permite mitigar esse problema.

Aliás, a Cabify Portugal reconhece isso na mesma nota. “Pontos de localização no meio de edifícios dificultam a missão de saber o ponto exato de recolha bem como a ocorrência de erros ao introduzir nomes de ruas ou até a falta de reconhecimento da morada exata pelas ferramentas de mapeamento”, refere a empresa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Coar.gato.trens”? É a nova morada do Parlamento… na Cabify

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião