Certificados captam 159 milhões em julho. Mesmo com a concorrência das OTRV

Num mês marcado pelo regresso das Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), os certificados captaram mais dinheiro. Famílias investiram 159 milhões.

Os certificados mantêm o ritmo de captação de poupanças. Depois de terem sido aplicados mais de 700 milhões de euros nos primeiros seis meses, em julho voltou a aumentar o valor aplicado pelas famílias nos produtos de poupança do Estado. Apesar dos certificados de aforro continuarem a perder dinheiro, os do Tesouro permitiram atrair um total de 159 milhões de euros. Isto apesar da concorrência das Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV).

De acordo com os dados do Boletim Estatístico do Banco de Portugal, os certificados de aforro viram sair 3 milhões de euros, enquanto os certificados do Tesouro, os Certificados do Tesouro Poupança Crescimento (CTPC), captaram 162 milhões de euros. Em termos líquidos, através das famílias, o Estado conseguiu um financiamento de 159 milhões de euros em julho, um mês tradicionalmente de férias mas também de maior disponibilidade financeira devido ao pagamento do subsídio.

O valor captado é o mais elevado desde outubro, altura em que os CTPC foram lançados, oferecendo uma taxa bruta anual média de 1,38% (a que se junta um bónus em função do PIB) abaixo da de 2,25% dos Certificados do Tesouro Poupança Mais, extintos no final de setembro. Isto apesar de ter havido concorrência pela poupança das famílias por parte de outro produto do Estado. O IGCP lançou, no mês passado, uma nova emissão de OTRV.

Foram emitidos mil milhões de euros nesta nova série das OTRV, tendo a procura ascendido a 1.700 milhões de euros. Nesta emissão, o Estado estreou um novo prazo, passando a maturidade do investimento de cinco para sete anos, sendo a taxa oferecida foi a mais baixa de sempre. Pelos títulos, os investidores vão receber uma taxa bruta anual de 1%, sendo que há que contar ainda com todas as comissões que estão associadas a este investimento feito através dos bancos (os certificados são adquiridos online ou nos CTT).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Certificados captam 159 milhões em julho. Mesmo com a concorrência das OTRV

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião