Cabify em dificuldades e com poucos motoristas. Mas quer dar a volta ao negócio

Longos tempos de espera têm feito os clientes da Cabify "fugirem" para as plataformas concorrentes. A aplicação tem poucos motoristas e a empresa assume que 2019 está a ser um ano "desafiante".

A operação da Cabify em Portugal enfrenta dificuldades. Os utilizadores da plataforma de transporte estão a migrar para os serviços concorrentes, perante a escassez de motoristas disponíveis para completarem as viagens solicitadas pelos clientes. A empresa espanhola não esconde os problemas e está determinada em reconquistar o lugar num setor que é dominado pela Uber.

Há alguns meses que o serviço tem vindo a degradar-se, mas o problema agravou-se nas últimas semanas. Comentários recentes de utilizadores, vistos pelo ECO, mostram o descontentamento com os longos tempos de espera na Cabify. “Não percebo esta aplicação. Podemos esperar entre 10 a 30 minutos por um motorista que não aparece”, aponta um. “Está constantemente a dececionar com um tempo máximo de espera que é prolongado quando chega ao fim”, lê-se noutro.

Nas três vezes que testámos o serviço, só numa foi possível chamar um motorista em tempo razoável — e apenas porque o ponto de recolha se encontrava numa zona de maior afluência da cidade de Lisboa, em Santos. Numa das vezes a aplicação não foi capaz de carregar o mapa com os motoristas, noutra o ECO esperou cerca de dez minutos até a aplicação encontrar um motorista disponível a quase dois quilómetros de distância. Para referência, a Uber é capaz de ligar passageiros a motoristas em poucos segundos.

A primeira imagem mostra a aplicação incapaz de carregar o mapa com os motoristas. As restantes mostram a aplicação à procura de motoristas. Após dez minutos de espera, a viagem foi atribuída a um motorista a 1,7 quilómetros de distância.Montagem ECO

Mas para se compreender como é que a Cabify chegou até aqui, é preciso explicar o que já foi a Cabify em Portugal. A empresa está presente em Lisboa desde 2016 e foi o segundo player do setor a apostar no mercado nacional, dois anos depois da Uber. Por isso, enfrentou alguns dos momentos mais marcantes do processo de regulamentação das plataformas eletrónicas, nomeadamente a grande manifestação de taxistas em outubro de 2016 e a segunda manifestação já em 2018.

Cabify já não tem equipa em Portugal

Durante vários anos, a startup espanhola, que chegou a assumir, no ano passado, a intenção de entrar na bolsa de Madrid em 2019, teve uma equipa sediada em Portugal. Isso mudou em meados de 2018, altura em que a operação portuguesa passou a ser gerida a partir da sede, em Madrid, sabe o ECO.

Frederico Venâncio foi um dos portugueses que acompanhou o percurso da Cabify no mercado nacional desde o arranque, primeiro como diretor de operações e, a partir de janeiro de 2017, como líder da operação no país. Deixou a Cabify Portugal em agosto de 2018 para, em outubro, lançar o serviço de trotinetas elétricas Voi no país. Com ele saiu também Sara Karim, ex-responsável de comunicação da Cabify, que atualmente desempenha o mesmo cargo na Voi.

A reestruturação colocou Daniel Bedoya ao comando de todas as operações europeias da Cabify, incluindo a portuguesa. Documentos consultados pelo ECO mostram que o gestor espanhol assumiu a gerência da empresa em Portugal no dia 11 de setembro de 2018. É ele o homem que desenhou e está a implementar a nova estratégia da Cabify no país. Já este ano, a startup contratou a agência IPSIS para gerir a comunicação do serviço no mercado português.

Empresa oferece 80 euros para atrair motoristas

Ao que o ECO apurou, a nova estratégia da Cabify passa por aliviar ou abandonar de todo aquele que foi o principal fator diferenciador do serviço: a exigência de exclusividade dos motoristas, que permitia à Cabify ter um controlo apertado sobre a qualidade do serviço prestado aos clientes. Para atrair condutores, a empresa também está a oferecer bónus que, de acordo com um motorista sondado pelo ECO que não conduz ao serviço da Cabify, é “extremamente atrativo”.

Atualmente, além da Cabify e da Uber, existem dois outros players de relevo em Lisboa: a Bolt (ex-Taxify) e a Kapten. A chegada destas aplicações, em 2018, com critérios de entrada de motoristas menos exigentes, levou a um cenário em que estes conduzem agora ao serviço de várias plataformas ao mesmo tempo. Os motoristas passaram a aceitar a primeira viagem que lhes for atribuída, independentemente da plataforma, uma forma de reduzirem os “tempos mortos”.

(Numa nota enviada ao ECO após a publicação desta notícia, a Kapten veio recusar ter critérios de entrada menos exigentes. Assegura que os seus motoristas “são bastante profissionais” e que realiza entrevistas com todos antes de estes poderem começar a operar.)

O resto foi a economia a funcionar. Muitos motoristas viram na Cabify um player que, apesar da aposta na qualidade, exigia uma exclusividade que poderia representar rendimentos mais baixos. Daí que muitos tenham apostado, então, nas aplicações concorrentes. Isto explica a escassez de motoristas ao serviço da Cabify, que recentemente decidiu deixar de exigir essa exclusividade no serviço base.

Além do alívio nos requisitos, a Cabify lançou um programa de financiamento das viagens em linha com o praticado por alguns concorrentes. A empresa promete pagar 80 euros a mais por cada 20 viagens completadas por um motorista, de acordo com anúncios que estão a ser promovidos pela Cabify nas duas redes sociais mais populares do país, nomeadamente Facebook e Instagram. O site da empresa também deixou de se focar em atrair clientes e destaca agora um grande botão a dizer “conduza connosco”.

Desta forma, a startup espanhola espera inverter a tendência de “fuga” dos motoristas e reconquistar um mercado no qual já teve outra relevância. E os próximos meses vão ser críticos para determinar o sucesso ou o falhanço da operação nacional. Contactada pelo ECO, a Cabify não escondeu os problemas e mostrou-se determinada em voltar a ganhar espaço e negócio.

A Cabify tem uma campanha em curso nas redes sociais, na qual promete dar aos motoristas 80 euros adicionais por cada 20 viagens efetuadas.Montagem ECO

Cabify assume ano “desafiante” e de “adaptação”

“Sem dúvida que 2019 tem sido desafiante”, refere fonte oficial da Cabify numa declaração enviada ao ECO. “Tem sido um ano de adaptação a um novo paradigma, com nova legislação e crescente número de players, acrescenta. Classificando Portugal como “uma escolha natural” para a Cabify, na medida em que “o mercado português está a crescer”, a Cabify assume uma visão para a operação no país que passa pelo “crescimento sustentável, com foco na qualidade e segurança” do serviço.

A empresa também não esconde o problema do lado da oferta no seu serviço. “Como exemplo de que estamos a materializar este compromisso temos as campanhas que estamos a desenvolver no sentido de angariar mais motoristas para o território nacional. Assumimo-lo, temos os melhores entre nós e vamos continuar a ter os melhores a colaborar connosco”, acrescenta ainda a nota.

A nova estratégia já está delineada e passará por “simplificar e integrar ao máximo as operações”, de forma a “manter a maior coerência possível” no negócio em todos os países. “Com isso, queremos também otimizar processos e aprimorar o desenvolvimento da estratégia para todo o continente. Pretendemos, também, criar sinergias e massa crítica que facilite o desenvolvimento e a implementação dos mais variados projetos inovadores que pretendemos integrar”, conclui.

(Notícia atualizada com reação da Kapten)

Comentários ({{ total }})

Cabify em dificuldades e com poucos motoristas. Mas quer dar a volta ao negócio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião