Thomas Cook em risco. Bancos pedem capital adicional de 200 milhões de libras

  • Lusa
  • 20 Setembro 2019

O futuro da empresa turística Thomas Cook está em risco. A companhia está à procura de uma injeção de capital adicional de 200 milhões de libras que foram solicitados por entidades bancárias.

A empresa turística Thomas Cook, em dificuldades financeiras, confirmou que procura fundos adicionais de 200 milhões de libras (227 milhões de euros), solicitados por entidades bancárias, para assegurar o seu futuro. A empresa, com 178 anos de história, tinha previsto assinar esta semana um pacote de resgate com o seu maior acionista, o grupo chinês Fosun, estimado em 900 milhões de libras (1.023 milhões de euros), mas foi adiado pela exigência dos bancos de ter novas reservas para o inverno.

Num breve comunicado enviado à Bolsa de Londres, a companhia revelou que as negociações para chegar a um acordo sobre “os termos finais da recapitalização e reorganização da continuam entre a Thomas Cook e várias partes interessadas, incluindo o grupo chinês Fosun e seus afiliados”. Estas negociações incluem um pedido recente de uma reserva sazonal de 200 milhões de libras, que são fundos adicionais para a injeção de novo capital de 900 milhões de libras anunciadas anteriormente, acrescentou a empresa.

A imprensa estrangeira destaca esta sexta-feira que a Thomas Cook pode ficar sem poder fazer pagamentos se não conseguir o resgate. Um possível colapso pode afetar 150.000 turistas britânicos e forçar a Autoridade de Aviação Civil a fazer regressar ao país a um custo avaliado em 682 milhões de euros (600 milhões de libras).

As dificuldades financeiras da empresa acumularam-se no ano passado, mas em agosto foram anunciadas as negociações com o grupo chinês. Se o acordo fosse bem-sucedido, o Fosun Tourism Group seria dono da maioria dos operadores turísticos Thomas Cook e teria uma participação minoritária na companhia aérea.

A Thomas Cook emprega cerca de 22.000 pessoas, 9.000 delas no Reino Unido, e atende 19 milhões de pessoas por ano em 16 países.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Thomas Cook em risco. Bancos pedem capital adicional de 200 milhões de libras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião