Em Portugal ter “canudo” faz menos diferença no desemprego

Portugal é o país da União Europeia onde a diferença entre a taxa de desemprego dos trabalhadores com níveis mais baixos de formação e a taxa de desemprego dos licenciados é menor.

A par do Chipre, Portugal é o país da União Europeia onde vale menos a pena avançar para o ensino superior como forma de evitar o desemprego. De acordo com o Eurostat, a diferença entre a taxa de desemprego entre os trabalhadores com níveis de educação inferiores e a taxa de desemprego entre trabalhadores com cursos superiores é de apenas 2,2 pontos percentuais (p.p), valor que compara com o fosso de 8,6 p.p. fixado como média europeia.

As taxas de desemprego variam consideravelmente de acordo com o nível de educação concluído e tendem a ser mais altas para as pessoas com baixos níveis de formação quando comparadas com aquelas registadas entre os trabalhadores com níveis altos de formação, como o ensino superior”, explica o Gabinete de Estatísticas da União Europeia, esta sexta-feira.

Nessa linha, a taxa de desemprego a nível europeu entre os trabalhadores com baixos níveis de educação fixou-se em 12,5%, em 2018, valor que compara com a taxa de 3,9% registada entre aqueles que têm cursos superiores. Ou seja, em média, na União Europeia, há uma diferença de 8,6 p.p. percentuais entre as taxas de desemprego nos grupos referidos. Esse fosso tem sido agravado desde 2002, altura em que a diferença era de 5,8 p.p.

No último ano, os exemplos mais significativos dessa diferença entre licenciados e não licenciados foram registados na Eslováquia (24,8 p.p), na Lituânia (16,4 p.p) e na Letónia (13,3 p.p.). Em sentido inverso, foi em Portugal e no Chipre (2,2 p.p) que se verificou um menor fosso entre a taxa de desemprego daqueles que têm menos formação e a taxa de desemprego daqueles que têm mais formação.

Por cá, os trabalhadores com níveis de educação mais baixos têm uma taxa de desemprego de 6,9%, valor que compara com a taxa de 4,7% registada entre os trabalhadores com ensino superior, ou seja, está em causa uma diferença de 2,2 p.p.. De notar que, se no caso da primeira taxa, Portugal fica abaixo da média europeia, o cenário inverte-se no caso da segunda, isto é, a taxa de desemprego entre trabalhadores com curso superior é maior em Portugal do que na União Europeia (3,9%).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em Portugal ter “canudo” faz menos diferença no desemprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião