Zero dá parecer desfavorável a novo aeroporto no Montijo e aponta “graves erros e lacunas”

  • Lusa
  • 20 Setembro 2019

De acordo com a associação ambientalista Zero, há "graves erros e lacunas" no Estudo de Impacte Ambiental para o novo aeroporto do Montijo.

A associação ambientalista Zero anunciou na noite de quinta-feira que emitiu um parecer desfavorável ao Estudo de Impacte Ambiental (EIA) para o novo aeroporto no Montijo, considerando que apresenta “graves erros e lacunas”. “Tendo em conta os graves erros e lacunas do EIA, a Zero não pode deixar de emitir um parecer desfavorável relativamente ao projeto do aeroporto do Montijo e respetivas acessibilidades”, refere em comunicado.

A associação ambientalista salienta que o EIA disponibilizado apresenta um conjunto de lacunas “bastante graves”, considerando as mais críticas a “incompatibilidade” da localização com a conservação da natureza, os impactos no ruído e qualidade do ar, as pressões que vai causar sobre as infraestruturas e a falta de uma avaliação adequada das emissões de gases com efeito de estufa do projeto.

Em relação à análise do risco de colisão de aves com aeronaves, a Zero considera que é “inconclusiva”, salientando que todos os fatores propiciadores do risco de colisão estão presentes na Base Aérea N.º 6 do Montijo. A associação frisa ainda que não está fundamentada a urgência do projeto.

“Consideramos que há tempo suficiente e que deve ser encetado um novo procedimento que permita uma avaliação abrangente e integrada do sistema aeroportuário da região de Lisboa, que tenha em consideração várias alternativas e que avalie o impacte destas a nível regional”, refere, acrescentando que as alternativas possíveis são “imediatamente descartadas como não sendo tecnicamente viáveis” no EIA.

A Zero considerou que todo o procedimento relativo ao projeto do novo aeroporto do Montijo tem sido de uma “lamentável opacidade”. “Surgiu como um facto consumado, com decisões prévias aparentemente já tomadas conforme declarações públicas de decisores políticos ao nível do Governo, subvertendo completamente os princípios que enquadram a figura da Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) como um instrumento de suporte à decisão e que, no limite, se constituem ainda como uma pressão inaceitável sobre a administração”, salienta.

“Apesar de toda a pressão verificada ao longo de todo este procedimento, a Zero confia na isenção da Autoridade Nacional de AIA e espera que o presente EIA seja objeto de uma Declaração de Impacte Ambiental desfavorável”, conclui.

A consulta pública do EIA do novo aeroporto no Montijo terminou na quinta-feira, tendo a Câmara da Moita (PCP) dado parecer negativo, enquanto os municípios do Barreiro e Montijo (ambos liderados pelo PS) aprovaram a construção da nova infraestrutura naquele local.

O Estudo de Impacte Ambiental, que foi divulgado em julho, tem apontado diversas ameaças para a avifauna e efeitos negativos sobre a saúde da população por causa do ruído, o que se fará sentir, sobretudo, “nos recetores sensíveis localizados no concelho da Moita e Barreiro”.

No passado dia 10, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Nuno Lacasta, disse no parlamento já ter “toda a informação necessária” para a avaliação do EIA, com mais de 1.000 contribuições diretas, adiantando que a decisão será conhecida no final de outubro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zero dá parecer desfavorável a novo aeroporto no Montijo e aponta “graves erros e lacunas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião