Quem mais em Portugal trabalha ao domingo? Autoeuropa arranca com horário contínuo

  • Marta Santos Silva
  • 23 Agosto 2018

Um em cada cinco portugueses empregados trabalha ao domingo, mas Portugal está um pouco abaixo da média europeia na prevalência do trabalho ao fim de semana. Quais os impactos deste modelo?

A Autoeuropa retoma a atividade esta quinta-feira após a sua paragem habitual de agosto, desta vez com uma semana adicional, e com uma mudança: os trabalhadores vão começar a cumprir turnos também ao domingo. Não estão sozinhos: em Portugal, 1.120 mil pessoas trabalham ao domingo. Trata-se de 23,5% da população empregada, ou seja, mais de um em cada cinco trabalhadores.

O trabalho por turnos e com horários noturnos, como ele decorre nesta fábrica do grupo Volkswagen, também junta muitos trabalhadores portugueses. Há 530 mil pessoas que trabalham noites, e 761,3 mil laboram por turnos.

Este tipo de trabalho a que se chama “horários atípicos” não é igualmente prevalente em todos os setores. Na agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca, cerca de 3% dos trabalhadores fazem noites mas quase um quarto — 24,7% — trabalham aos domingos. No setor dos serviços, a percentagem também é elevada para o trabalho aos domingos: 28,5% dos trabalhadores cumprem este horário, e 12% fazem noites.

É no setor da Autoeuropa, indústria, construção, energia e água, que estes horários são menos comuns. Muitos trabalham à noite — 9,8% — mas apenas 7,1% trabalham ao domingo.

Na Europa, Portugal não é uma exceção. O estudo O Mercado de Trabalho em Portugal e nos Países Europeus: Estatísticas 2018, de Frederico Cantante, demonstra isso mesmo: 29,5% da população europeia trabalha em “horários atípicos”, o que se refere aos domingos, ao trabalho por turnos ou à realização de horários noturnos.

Especificamente sobre os fins de semana, o estudo, publicado em 2018 pelo Observatório das Desigualdades, refere mesmo: “A Grécia, a Holanda, a Suíça, a Espanha, a Itália, a França, ou o Reino Unido apresentam índices elevados de trabalho ao fim de semana. Portugal é (…) um dos países europeus em que o trabalho ao fim de semana tem uma expressão mais diminuta”.

Qual o impacto do trabalho aos domingos?

O trabalho ao domingo levanta algumas questões em certos países, um deles sendo a França. Nesse país, muitos estabelecimentos estão impedidos pela lei laboral de abrir aos domingos. Recentemente, um grupo de deputados do partido do Presidente Emmanuel Macron, La République em Marche (LRM), assinou um artigo publicado pelo semanário Journal du Dimanche, no qual defendia que o país liberalize as leis laborais em especial as do trabalho ao domingo.

Macron está atualmente a trabalhar numa proposta empresarial intitulada PACTE, cujo objetivo é o de aumentar o número de PME em França através da facilitação da contratação e despedimento, entre outras mudanças laborais. No artigo, os deputados consideraram que “a lei PACTE é uma oportunidade formidável para revitalizar os nossos centros urbanos, responder aos pedidos dos franceses e aumentar a atratividade turística dos nossos territórios”, acrescentando: “Utilizemos este projeto de lei para oferecer aos comerciantes a liberdade de abrir ou não ao domingo!”

Os deputados referem que, quando a lei Macron de agosto de 2015 possibilitou a abertura ao domingo de lojas nas zonas turísticas internacionais, que foram criadas para o efeito, o domingo tornou-se o melhor dia da semana para certas lojas, e os lucros das lojas aumentaram 15%.

Em 2011, no princípio do resgate da Grécia, a legalização do trabalho ao domingo foi também uma das recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI) para aumentar o comércio e, assim, as transações e receitas comerciais das empresas.

No entanto, existem estudos que demonstram que o trabalho ao domingo, especificamente, afeta a participação social e familiar dos trabalhadores, e mesmo a sua saúde. Um estudo publicado em 2011 pelo Journal of Biological and Medical Rhythm Research, da autoria de três investigadores alemães e que teve como base a análise de mais de 23 mil cidadãos europeus em diferentes Estados membros, mostrava que “trabalhar um ou mais domingos por mês estava associado a um aumento tanto no risco de encontrar um ou mais problemas de saúde (…) e pior equilíbrio entre o trabalho e a vida familiar”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem mais em Portugal trabalha ao domingo? Autoeuropa arranca com horário contínuo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião