Voo Lisboa-Pequim foi suspenso. Crise da HNA trava rota

  • Lusa
  • 23 Agosto 2018

A Capital Airlines confirmam a suspensão dos voos entre Lisboa e Pequim, com começo a 15 de outubro e até março.

A companhia aérea chinesa Capital Airlines está a notificar os seus passageiros que suspendeu, entre outubro e março, o voo direto entre a China e Portugal, que celebrou no mês passado o primeiro aniversário.

“Confirmamos a suspensão dos voos entre Lisboa e Pequim, com começo a 15 de outubro e até março”, lê-se num correio eletrónico enviado pela empresa a uma passageira, e a que a Lusa teve acesso.

Desde a manhã de quarta-feira, 22 de agosto, qualquer tentativa de marcar um voo dentro daquelas datas, através do portal de internet da companhia aérea, não dava qualquer resultado. Contactada pela Lusa, a empresa recusou avançar os motivos da suspensão, referindo apenas “razões operacionais”.

Também contactadas pela Lusa, fonte oficial da Secretaria de Estado optou por não fazer comentários, enquanto o Turismo de Portugal remeteu uma eventual reação para mais tarde.

O voo, que tem três frequências por semana, entre a cidade de Hangzhou, na costa leste da China, e Lisboa, com paragem em Pequim, arrancou a 26 de julho de 2017.

No primeiro ano desde que começou a voar para Portugal, a Capital Airlines transportou mais de 80 mil passageiros, segundos dados divulgados por altura do aniversário. A taxa média de ocupação do voo fixou-se nos 80%, nos meses mais fracos, enquanto na época alta superou os 95%.

A Capital Airlines é uma das subsidiárias do grupo chinês HNA, que enfrenta uma grave crise de liquidez, depois de ter fechado o ano passado com uma dívida de 598 mil milhões de yuan (cerca de 77 mil milhões de euros), de acordo com os dados divulgados na apresentação dos seus resultados anuais.

A escalada nos custos de financiamento desencadeou uma onda de venda de ativos do grupo, que tem sido um dos principais visados das advertências das autoridades chinesas sobre “investimentos irracionais” no estrangeiro, que podem “acarretar riscos” para o sistema financeiro chinês.

Aquando do início da ligação aérea, o primeiro-ministro português, António Costa, disse esperar que os voos diretos Lisboa-Pequim fossem um reforço de Portugal como “grande ‘hub’ intercontinental” (centro de operações).

A afirmação de António Costa foi feita a 11 de julho de 2017 durante a cerimónia de inauguração dos voos diretos Lisboa-Pequim, com a presença do presidente do parlamento da China, Zhang Dejiang, que estava então a efetuar uma visita a Portugal.

Para António Costa, a abertura da rota Lisboa-Pequim tem um “enorme simbolismo” e “é a nova rota da seda do século XXI”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Voo Lisboa-Pequim foi suspenso. Crise da HNA trava rota

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião