Voo Lisboa-Pequim foi suspenso. Crise da HNA trava rota

  • Lusa
  • 23 Agosto 2018

A Capital Airlines confirmam a suspensão dos voos entre Lisboa e Pequim, com começo a 15 de outubro e até março.

A companhia aérea chinesa Capital Airlines está a notificar os seus passageiros que suspendeu, entre outubro e março, o voo direto entre a China e Portugal, que celebrou no mês passado o primeiro aniversário.

“Confirmamos a suspensão dos voos entre Lisboa e Pequim, com começo a 15 de outubro e até março”, lê-se num correio eletrónico enviado pela empresa a uma passageira, e a que a Lusa teve acesso.

Desde a manhã de quarta-feira, 22 de agosto, qualquer tentativa de marcar um voo dentro daquelas datas, através do portal de internet da companhia aérea, não dava qualquer resultado. Contactada pela Lusa, a empresa recusou avançar os motivos da suspensão, referindo apenas “razões operacionais”.

Também contactadas pela Lusa, fonte oficial da Secretaria de Estado optou por não fazer comentários, enquanto o Turismo de Portugal remeteu uma eventual reação para mais tarde.

O voo, que tem três frequências por semana, entre a cidade de Hangzhou, na costa leste da China, e Lisboa, com paragem em Pequim, arrancou a 26 de julho de 2017.

No primeiro ano desde que começou a voar para Portugal, a Capital Airlines transportou mais de 80 mil passageiros, segundos dados divulgados por altura do aniversário. A taxa média de ocupação do voo fixou-se nos 80%, nos meses mais fracos, enquanto na época alta superou os 95%.

A Capital Airlines é uma das subsidiárias do grupo chinês HNA, que enfrenta uma grave crise de liquidez, depois de ter fechado o ano passado com uma dívida de 598 mil milhões de yuan (cerca de 77 mil milhões de euros), de acordo com os dados divulgados na apresentação dos seus resultados anuais.

A escalada nos custos de financiamento desencadeou uma onda de venda de ativos do grupo, que tem sido um dos principais visados das advertências das autoridades chinesas sobre “investimentos irracionais” no estrangeiro, que podem “acarretar riscos” para o sistema financeiro chinês.

Aquando do início da ligação aérea, o primeiro-ministro português, António Costa, disse esperar que os voos diretos Lisboa-Pequim fossem um reforço de Portugal como “grande ‘hub’ intercontinental” (centro de operações).

A afirmação de António Costa foi feita a 11 de julho de 2017 durante a cerimónia de inauguração dos voos diretos Lisboa-Pequim, com a presença do presidente do parlamento da China, Zhang Dejiang, que estava então a efetuar uma visita a Portugal.

Para António Costa, a abertura da rota Lisboa-Pequim tem um “enorme simbolismo” e “é a nova rota da seda do século XXI”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Voo Lisboa-Pequim foi suspenso. Crise da HNA trava rota

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião