Greve na empresa Vanpro, fornecedora da Autoeuropa, contra trabalho ao domingo

  • Lusa
  • 24 Agosto 2018

Os trabalhadores da empresa Vanpro Assentos vão arrancar com uma greve aos domingos contra a obrigação de trabalhar nesse dia, uma alteração feita pela empresa acompanhando os novos horários da Autoe

Os trabalhadores da empresa Vanpro Assentos vão arrancar com uma greve aos domingos contra a obrigação de trabalhar nesse dia, uma alteração feita pela empresa acompanhando os novos horários da Autoeuropa, de que é fornecedora.

A greve, convocada pelo sindicato SITE Sul (ligado à CGTP), arranca este domingo (dia 26), por tempo indeterminado, e abrange os cerca de 400 funcionários da empresa que fabrica bancos para os carros produzidos na fábrica de Palmela, disse à Lusa Eduardo Florindo, coordenador do sindicato.

Questionado sobre como é pago o trabalho ao domingo na Vanpro, o sindicalista disse que é “ao preço normal, não há nada de diferente”.

Em comunicado, o sindicato explica que o protesto se deve à “alteração e agravamento dos horários de trabalho”, à “obrigatoriedade de trabalhar ao domingo” e ao “direito à conciliação da vida familiar com a vida profissional”.

Desde esta quinta-feira que os trabalhadores da Autoeuropa estão a fazer o novo horário de laboração contínua para aumentar a produção do novo modelo da Volkswagen, o T-Roc, o que inclui trabalhar ao domingo.

Os trabalhadores da fábrica de automóveis da Volkswagen defendem, no caderno reivindicativo apresentado em julho à administração da empresa, que o trabalho ao sábado e ao domingo deve ser pago a dobrar, valor que deverá ser acrescido de mais 25% do prémio trimestral de produtividade, caso sejam cumpridos os objetivos da fábrica.

A Vanpro Assentos está instalada no parque industrial da Autoeuropa, em Palmela (Setúbal).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve na empresa Vanpro, fornecedora da Autoeuropa, contra trabalho ao domingo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião