Porto pode vir a tornar-se “cidade-piloto” da mobilidade aérea da Airbus

  • Lusa
  • 31 Agosto 2018

Porto poder vir a tornar-se uma “cidade-piloto” no teste da mobilidade urbana através de “novos tipos de transportes aéreos”, diz Isabel Del Pozo, da Airbus.

A representante da Airbus Isabel Del Pozo admitiu, em Matosinhos, a possibilidade de o Porto “vir a tornar-se uma cidade-piloto” da mobilidade aérea urbana.

A revelação foi feita quando Isabel Del Pozo foi questionada por Pablo Perez-Illana, investigador em aviação da Comissão Europeia, no âmbito do encontro “Urban Air Mobility – UAM”, a decorrer no Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA), em Matosinhos, distrito do Porto.

O evento é realizado no contexto da Associação Europeia de Centros de Investigação em Aeronáutica (EREA), que reúne jovens investigadores dos 15 maiores centros de investigação europeus.

Isabel Del Pozo admitiu a possibilidade de o Porto poder vir a tornar-se uma “cidade-piloto” no teste da mobilidade urbana através de “novos tipos de transportes aéreos”.

O Vahana é um dos projetos de mobilidade urbana da Airbus.

A iniciativa “Urban Air Mobility”, que pretende reunir cidades, cidadãos e empresas num sistema inovador e inteligente de transporte, é liderada pela fabricante Airbus, com o apoio da Comissão Europeia, e já se realiza em algumas cidades como Plovdiv (Bulgária), Bruxelas (Bélgica), Genebra (Suíça) e Hamburgo (Alemanha).

Num encontro onde, para além de soluções e partilha de ideias, também se abordaram os “grandes desafios” que a área da aeronáutica enfrenta, Isabel Del Pozo afirmou que “para a Airbus a solução é o céu”, mencionando as atividades que a empresa fabricante de aeronaves tem em curso desde 2016 como o projeto ‘Voom’, o ‘City Airbus’ e o ‘Vahana’.

Contudo, a representante não deixou de salientar que para que novos projetos se desenvolvam é necessária “uma nova regulamentação europeia, um novo conceito operacional e o treino de pilotos”.

A “regulamentação europeia” e a “certificação” dos projetos apresentados foram também questões de debate levantadas por outros investigadores como Tiago Semedo, responsável pela área de engenharia de produção para os oceanos, aeronáutica e espaço do CEiiA.

“A maior parte da investigação que se faz leva alguns anos, às vezes até décadas, a ter uma nova aplicação na indústria e a chegar ao consumidor. Portanto, aí a legislação e a certificação são áreas extremamente conservadoras e que pouco evoluíram”, explicou Tiago Semedo à Lusa.

Ainda durante o encontro, Pablo Perez Illana apresentou o novo programa para a área de aeronáutica “Horizon Europe Programme”, que vai decorrer entre 2021 e 2027, e salientou que a aplicação destas tecnologias inovadoras pode surgir “mais depressa do que acreditamos, mas mais devagar do que é desejado”.

O “Urban Air Mobility-UAM”, no CEiiA, é o primeiro evento no contexto do EREA que reúne os jovens investigadores europeus e promove o debate sobre as questões da mobilidade aérea urbana.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto pode vir a tornar-se “cidade-piloto” da mobilidade aérea da Airbus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião