Medina quer revolução no preço dos transportes públicos

  • ECO
  • 1 Setembro 2018

Presidente da câmara de Lisboa já entregou dossiê a Costa e Centeno e tem apoio dos municípios da área metropolitana. Plano custará 65 milhões por ano.

Lisboa quer revolucionar o preço dos transportes públicos na cidade. A revelação é feita pelo presidente da câmara, Fernando Medina, em entrevista ao jornal Expresso (acesso condicionado) deste sábado. O plano, que custará 65 milhões de euros anualmente, tem o apoio dos municípios da área metropolitana de Lisboa e já foi entregue a António Costa e Mário Centeno.

Medina quer avançar, já no próximo ano, com uma revolução no preço dos transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa e propôs ao Governo que inclua verbas para o novo sistema de passes já no próximo Orçamento do Estado, a ser entregue até 15 de outubro pelo Executivo à Assembleia. O sistema prevê um novo passe para Lisboa e área metropolitana com um preço máximo de 30 euros por mês dentro da cidade (“um euro por dia”) e de 40 euros para a circulação dentro dos 18 municípios da área metropolitana.

O presidente da câmara continua ainda à espera de luz verde do Governo, com quem diz que ainda está a negociar. Ao Expresso, conta também que não falou nem com PCP nem com Bloco para garantir apoio nesta negociação, mas garante que se trata de uma “proposta verdadeiramente transformadora do sistema de mobilidade em Lisboa”, que responde a “um problema central do país”.

A falta de resposta do sistema público de transportes, sublinha o autarca, será uma das razões para os cidadãos optarem pelo transporte individual.

“No pós-25 de Abril o país resolveu bem as questões do abastecimento de água, do saneamento, do lixo, do acesso à saúde, mas não as questões da mobilidade. A prova da falha está nas áreas metropolitanas”, diz Medina, justificando que “cerca de 56% de todas as deslocações dentro da AML são feitas em viatura própria. De 1991 para cá, esta situação degradou-se sistematicamente, com perda do transporte público e reforço do transporte individual”.

A proposta dos autarcas da Área Metropolitana de Lisboa vai, acredita, incentivar a utilização e melhorar as condições “para as cerca de 700 mil pessoas que hoje já estão integradas no sistema de passes intermodais, mas sobretudo integra no sistema 900 mil pessoas que estão fora”. A proposta mais do que duplica o número de pessoas cobertas pelo sistema, em simultâneo com uma redução do custo dos passes, que é maior para quem vive mais longe da capital.PADOa

Comentários ({{ total }})

Medina quer revolução no preço dos transportes públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião