Mais de 100 milhões de euros cativados aos transportes ferroviários

  • ECO
  • 9 Agosto 2018

As Finanças congelaram 100,4 milhões de euros aos transportes ferroviários. O valor representa mais de 16% do total de cativos atuais aplicados pelas Finanças.

As Finanças congelaram aos transportes ferroviários sob a tutela dos Ministérios do Planeamento e Infraestruturas (como a Comboios Portugal — CP — e a IP — Infraestruturas de Portugal –) e do Ambiente (os metros de Lisboa e Porto) 100,4 milhões de euros de despesa com aquisição de bens, serviços e projetos, de acordo com os dados da execução orçamental de abril, citados pelo Jornal de Negócios (acesso pago).

O valor representa mais de 16% do total de cativos atuais aplicados pelas Finanças, que ronda os 611,5 milhões de euros.

No caso do transporte ferroviário, os cativos atuais somam 75,3 milhões de euros, sendo que desde o início do ano não foi descativada nenhuma verba. Na ferrovia a cargo do ministro do Ambiente, Matos Fernandes, ou seja os metropolitanos, durante o ano, já foram desbloqueados dois milhões de euros face aos cativos iniciais, que eram de 27,1 milhões de euros, passando para os 25,1 milhões.

A CP além de confrontada com estas cativações tem uma reduzida execução ao nível do investimento — 4,7 milhões de euros. O montante representa 10,6% do bolo total que a empresa tem para investir este ano, revelou quarta-feira, o Dinheiro Vivo. Em 2017, o que aconteceu foi que a empresa de transporte apenas investiu 27% do valor global estabelecido para o ano.

Nos últimos anos, tanto a CP como o metropolitano de Lisboa, têm sido várias vezes referidos como exemplos da degradação do serviço. As necessidades de investimentos continuam a não ser respondidas, o que faz com que estas empresas sejam atualmente das que mais reclamações recebem, por parte dos utilizadores dos transportes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 100 milhões de euros cativados aos transportes ferroviários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião