Juros dos depósitos em mínimos. Bancos dão dez vezes menos que a inflação

Mês após mês, os juros oferecidos pelos bancos nas aplicações a prazo caem. A dimensão da descida já não impressiona, mas a taxa sim. Está dez vezes abaixo da inflação esperada para 2019.

Poupar? Cada vez mais, os portugueses estão a preferir gastar. Gastam as poupanças, mas também mais o dinheiro que não têm — prova disso são os recordes no crédito, seja à habitação, seja ao consumo. E uma das razões para não estarem a amealhar é a baixa atratividade dos juros oferecidos no produto preferido — os depósitos a prazo. Mês após mês, os juros oferecidos pelos bancos renovam mínimos, estando já dez vezes abaixo daquela que é a taxa de inflação estimada para o próximo ano.

Julho voltou a ser um mês de queda nas taxas oferecidas pelas instituições financeiras às novas operações de depósito. De acordo com os dados do Banco Central Europeu (BCE), o juro médio praticado pelos bancos na aplicação de novos montantes a prazo encolheu de 0,16% em junho para os 0,15% no mês seguinte. É, novamente, um recorde, sendo a taxa mais baixa de um histórico cujo início remonta a janeiro de 2000.

A explicação para este nível mínimo histórico dos juros praticados pelos bancos é simples: o BCE, apesar de ter agendado para este ano o fim do programa de estímulos à Zona Euro, nomeadamente a compra de dívida soberana e de empresas, continua com uma política monetária extremamente expansionista. Resultado? Com a taxa diretora em 0%, mas principalmente a taxa de depósitos em -0,4%, as Euribor mantêm-se negativas. Assim, os juros pagos pelos bancos aos seus clientes mantêm-se sob pressão.

Os bancos nacionais estão, no entanto, a pagar bem menos do que a média da Zona Euro, numa altura em que procuram diminuir ao máximo os encargos com o financiamento para conseguirem aumentar as margens nos financiamentos — ao mesmo tempo que aumentam as receitas com comissões.

Juros dos novos depósitos tocam novo mínimo

Fonte: BCE

A taxa média destas novas aplicações há muito que está bem abaixo daquela que é a taxa de inflação. Mas em julho agravou-se a tendência, levando a que os juros que são auferidos pelos depositantes representam apenas um décimo daquele que é o aumento do custo de vida estimado para o próximo ano. O Banco de Portugal aponta para uma inflação de 1,4% este ano, mas de 1,5% em 2019.

A tradução destas diferentes taxas é a de que aquilo que as poupanças aplicadas vão render na maturidade — a maioria das aplicações tende a ter um prazo de um ano — não compensa o aumento do custo de vida. Por vezes, pode nem compensar as comissões cobradas pelos bancos pelo simples facto de se ter uma conta aberta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros dos depósitos em mínimos. Bancos dão dez vezes menos que a inflação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião