Vendas da panificação e pastelaria atingem 675 milhões de euros

  • Lusa
  • 3 Setembro 2018

O mercado do pão e dos bolos registou um crescimento de 3,8%, tendo as suas vendas registado de 3,8% para 675 milhões de euros. Os dados são avançados pela Informa D&B.

O mercado da panificação e pastelaria industriais registou um crescimento de 3,8% no ano passado, atingindo 675 milhões de euros em vendas, segundo um estudo da consultora Informa D&B. Em 2016, o setor ficou-se pelos 650 milhões de euros em receitas, adiantou a empresa em comunicado.

O estudo “Panificação e Pastelaria Industriais” concluiu ainda que, dos segmentos em análise, o de massas congeladas esteve em destaque, com uma subida de 5,1%, “ligeiramente superior ao dos anos anteriores, alcançando um valor de 205 milhões de euros”, refere a Informa D&B. Este tipo de produtos está a substituir os “tradicionais dos segmentos de panificação e bolos, nomeadamente no canal de hotelaria e restauração”, adianta o mesmo comunicado.

As exportações deste setor, explicou a consultora, atingiram 218 milhões de euros em 2017, um aumento de 6,9% face ao ano anterior, quando se fixaram nos 204 milhões. O principal mercado externo é Espanha, com uma quota de 40% em relação ao total. As importações destes produtos foram de 329 milhões de euros no ano passado, mais 4,1% do que em 2016. O principal país de origem é, igualmente, Espanha, com 65% do total.

A Informa D&B revelou ainda que, no final de 2016, operavam no setor aproximadamente 6.200 empresas, com um volume de emprego de cerca de 25 mil trabalhadores. A maioria destas sociedades está no Norte e Centro do país, com um peso de perto de 70%.

Segundo a consultora, “o setor apresenta um alto grau de atomização, com predomínio das empresas de reduzida dimensão. Assim, mais de 80% dos operadores têm um quadro de pessoal abaixo de 10 empregados, e só oito empresas contam com mais de 250 trabalhadores”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas da panificação e pastelaria atingem 675 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião