Lisboa no vermelho. Incerteza na OPA dá perdas à família EDP

A bolsa portuguesa fechou em terreno negativo num dia em que a família EDP registou perdas. O ECO avançou que há a hipótese de a OPA da CTG vir a cair. Em sentido inverso, a Galp travou as perdas.

A bolsa nacional fechou em terreno negativo num dia em que o sentimento foi misto nas principais praças europeias. O setor energético esteve em destaque nesta sessão, num dia de perdas para a família EDP, face à possibilidade de a China Three Gorges (CTG) vir a deixar cair a OPA lançada sobre a EDP e EDP Renováveis. Em sentido inverso, a Galp Energia registou ganhos expressivos e travou o recuo da bolsa.

Enquanto o Stoxx 600 fechou a subir 0,05%, o português PSI-20 encerrou com perdas de 0,23%, para 5.409,89 pontos. A bolsa de Lisboa foi pressionada pela queda de 0,62% das ações da EDP, com a empresa a cotar nos 3,344 euros. No mesmo sentido seguiu a subsidiária EDP Renováveis, que recuou 0,53% para 8,5 euros. Estas quedas acontecem no dia em que o ECO avançou que as recentes movimentações no topo hierárquico da CTG poderão ditar a queda da oferta pública de aquisição (OPA) lançada sobre as duas elétricas portuguesas.

A contribuir para as perdas esteve também o BCP. O banco liderado por Miguel Maya derrapou 0,60% para 24,93 cêntimos por ação. Nota ainda para as ações da Pharol. A antiga holding da Portugal Telecom, que é acionista da brasileira Oi, recuou 6,76% para 19,3 cêntimos cada título, naquele que seria o dia em que estava agendada a assembleia-geral da Oi para aprovar o aumento de capital. A nova data é 17 de setembro.

A travar as perdas no principal índice português esteve a Galp Energia, com uma escalada de 1,26% para 17,69 euros por ação. A petrolífera portuguesa beneficiou da subida dos preços do petróleo nos mercados internacionais, com o crude a cotar em Londres acima da fasquia dos 78 dólares. O barril de Brent está a cotar nos 78,09 dólares, uma subida de 0,58% face à sessão anterior.

Um destaque final para os títulos do FC Porto, cotados no PSI Geral. O clube dos dragões disparou 21,05% na bolsa, para 69 cêntimos, depois de ter regressado às vitórias ao vencer a equipa do Moreirense no Estádio do Dragão por duas bolas a zero.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa no vermelho. Incerteza na OPA dá perdas à família EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião