Medina diz que reduzir preço dos passes é mais eficaz do que baixar combustíveis

  • Lusa
  • 4 Setembro 2018

A redução do preço dos transportes públicos para os utilizadores é uma medida mais eficaz e economicamente mais racional do que a redução do imposto sobre combustíveis, diz Medina.

O presidente da Câmara de Lisboa defendeu esta terça-feira que a proposta de redução dos preços dos transportes públicos “vem tarde”, recusando eleitoralismos a um ano das legislativas e defendendo-a como mais eficaz do que reduzir o imposto sobre combustíveis.

“Acabei de ser eleito. Com certeza não vim propor nenhuma medida eleitoralista para uma eleição que não existe. Acho que esta medida vem tarde”, disse o presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, à entrada para a cerimónia de entrega do Prémio António Champalimaud de Visão 2018, que hoje decorreu na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Acabei de ser eleito. Com certeza não vim propor nenhuma medida eleitoralista para uma eleição que não existe. Acho que esta medida vem tarde.

Fernando Medina

Presidente da CML

Medina disse que os custos da medida estão calculados e na posse do Governo, defendendo a redução do preço dos transportes públicos para os utilizadores como uma medida mais eficaz e economicamente mais racional do que a redução do imposto sobre combustíveis, já aprovada pelo Parlamento.

“Comparem esta medida com a diminuição do imposto sobre combustíveis. Acham que essa medida serviria alguém, chegaria ao bolso de alguém? Essa proposta é mais cara do que termos passes sociais em todo o país”, disse o presidente da CML.

Fernando Medina defendeu a “qualidade da medida”, rejeitando o discurso crítico em relação aos custos e sublinhando a sua importância para mudar “o paradigma da mobilidade” em Lisboa, substituindo o transporte individual pelo transporte público.

Comparem esta medida com a diminuição do imposto sobre combustíveis. Acham que essa medida serviria alguém, chegaria ao bolso de alguém? Essa proposta é mais cara do que termos passes sociais em todo o país.

Fernando Medina

Presidente da CML

“Na polémica toda há algo que ainda não ouvi ninguém dizer com razão e com propriedade: é que termos mais pessoas a andar de transporte público e apoiarmos mais é uma má ideia. Ainda não ouvi ninguém. Ouvi muito comentário lateral, muita ideia sobre como é que se paga”, disse.

Medina acrescentou que o financiamento da medida é uma questão que está ainda a ser trabalhada, assim como a sua previsão no Orçamento do Estado para 2019.

“Concentremo-nos no fundamental: a medida é boa ou é má? Acho que é uma excelente medida. Resolve o problema ambiental, resolve o problema da competitividade da economia do país, ajuda do ponto de vista da coesão social e da economia das famílias e vai resolver o problema do congestionamento de trânsito da cidade de Lisboa. Vamos em conjunto trabalhar para encontrar as formas de a financiar. Já sabemos todos que o seu financiamento é mais fácil e mais barato do que algumas medidas, que essas sim, não merecem, não têm sentido ser aprovadas e, portanto, não têm sentido ser aprovadas”, disse.

A ideia de transportes públicos mais baratos, nomeadamente na capital do país e no Porto, foi posta na ordem do dia pelo presidente da Câmara de Lisboa e presidente da Área Metropolitana de Lisboa, Fernando Medina.

Numa entrevista publicada no sábado pelo jornal Expresso, o socialista defendeu que os passes para circular dentro do concelho deveriam ter um teto máximo de 30 euros, valor que subiria para os 40 euros na área metropolitana. Hoje, o jornal Público escreve que o ministro do Ambiente, que tutela os transportes, está a acompanhar esta matéria, mas pretende que a medida seja alargada a todo o país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Medina diz que reduzir preço dos passes é mais eficaz do que baixar combustíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião