PSA propõe novo investimento na expansão do Porto de Sines

  • Lusa
  • 4 Setembro 2018

É criada uma comissão para a renegociação do contrato da PSA, que "prevê um investimento para a expansão do terminal de Sines, que visa responder à procura crescente do transporte marítimo de carga.

A PSA, concessionária do terminal XXI, apresentou à Administração dos Portos de Sines (APS) uma proposta para a renegociação do contrato de concessão, oferecendo-se para fazer mais investimentos na infraestrutura.

Um despacho publicado esta terça-feira em Diário da República (DR) dá conta da proposta da empresa, assim como da criação de uma comissão para a renegociação do contrato, na qual “prevê um investimento para a expansão daquele terminal, que pretende responder à procura crescente do transporte marítimo de carga contentorizada e ao aumento na dimensão dos navios, estimada em 185% nos últimos 25 anos, bem como às restrições de capacidade já atualmente verificadas”.

A PSA justifica a apresentação da proposta com várias questões: o regime jurídico da operação portuária, que define regras aplicáveis aos contratos de concessão; um relatório do Tribunal de Contas, que aconselha a revisão de “cláusulas que atribuem rendimentos excessivos às concessionárias, de modo a acautelar o interesse público”; o programa de Governo, com objetivos de “eficiência operacional, económica e ambiental do setor portuário nacional”; a sustentabilidade económico-financeira das administrações portuárias e a sua capacidade para continuar a financiar os investimentos.

Assim, a comissão para a renegociação do contrato integra um membro efetivo, designado pela ministra do Mar, que escolhe ainda dois efetivos e um suplente. Dois elementos efetivos e um suplente serão da responsabilidade do secretário de Estado Adjunto e das Finanças.

O despacho salienta ainda que a renegociação tem como objetivos potenciar novos investimentos a realizar pela concessionária, promovendo a modernização e adequação das infraestruturas portuárias à evolução da procura mundial e às tendências determinantes para captação de novo tráfego para o Porto de Sines; promover a eficiência e competitividade no Terminal XXI através do aumento da utilização desse terminal portuário; identificar alterações que resultem na criação de valor adicional,

O processo deverá, esclarece o despacho, garantir a sustentabilidade económico-financeira da concessão, manter na concessionária uma série de responsabilidades burocráticas para avançar com o projeto, e que condicionam o início das alterações contratuais, determinar um novo prazo de concessão, mais adequado ao reembolso do financiamento, e minimizar a probabilidade de que seja necessária a reposição do equilíbrio financeiro. Deverão também ser estabelecidos ” mecanismos de partilha de benefícios com a entidade concedente [APS] face a situações suscetíveis de, durante a vigência do contrato, gerarem um beneficio adicional ao contratualizado”, lê-se no documento.

Os trabalhos deverão estar concluídos num prazo de três meses. Depois disso, a comissão terá que apresentar um relatório sobre os trabalhos e um documento final para entregar à tutela, bem como as minutas dos instrumentos jurídicos usados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSA propõe novo investimento na expansão do Porto de Sines

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião