Tecnológico Nasdaq recua 1,5%. Twitter afunda quase 6%

O índice tecnológico norte-americano está sob forte pressão, no dia em que oficiais do Facebook e do Twitter vão ser interrogados no Congresso. Rede social do pássaro azul já afunda 5,68%.

O índice tecnológico Nasdaq acentuou as perdas registadas na abertura e está a cair mais de 1,5%, pressionado por quedas expressivas nas ações das grandes empresas de tecnologia. Os holofotes estão a incidir nas companhias que gerem redes sociais, como o Facebook e o Twitter, num dia em que altos responsáveis das duas companhias vão ser interrogados no Congresso.

As ações do Twitter derrapam mais de 6% para 32,74 dólares, enquanto os títulos do Facebook recuam 1,42% para 168,79 dólares. A Alphabet, dona da Google, derrapa 2,24% para 1.184,33 dólares por ação. Na sessão no Congresso estarão presentes Sheryl Sandberg (administradora operacional do Facebook) e Jack Dorsey (presidente executivo do Twitter).

Os dois altos responsáveis são nomes bem conhecidos em Silicon Valley. Vão ser questionados numa altura em que existem indícios que apontam para que agentes russos estejam a usar as suas plataformas para manipular o eleitorado norte-americano. Estes líderes do setor tecnológico deverão ainda ser criticados por, alegadamente, não terem tomado as devidas medidas para impedir este uso indevido das redes sociais e outras plataformas digitais.

A pressão está a alastrar-se também a outras empresas do mesmo setor. A par do Twitter, o serviço de streaming Netflix é outro dos piores desempenhos da sessão desta quarta-feira. A empresa afunda 5,35% para 344,36 dólares. Já a Snap Inc., dona da rede social Snapchat, recua 3,87%, para 10,18 dólares por ação.

A Amazon está a perder 1,44% e a cotar nos 2.009,70 dólares, um dia depois de ter atingido um máximo histórico que a fez valer, por breves instantes, mais de um bilião de dólares em bolsa. A gigante liderada por Jeff Bezos tornou-se, assim, a segunda cotada em Wall Street a conseguir este feito. Cerca de um mês antes, a Apple tinha sido pioneira neste feito. Corrige agora 0,79%, para 226,58 dólares.

(Notícia atualizada às 18h57)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnológico Nasdaq recua 1,5%. Twitter afunda quase 6%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião