Ryanair enfrenta nova greve europeia na última semana de setembro

  • ECO
  • 7 Setembro 2018

Trabalhadores exigem aplicação da legislação nacional dos seus países de origem e retirada dos processos disciplinares por baixas médicas ou vendas a bordo aquém das metas estabelecidas pela empresa.

A Ryanair vai enfrentar uma nova greve à escala europeia na última semana de setembro, avança o Dinheiro Vivo. A paralisação vai ser levada a cabo por pilotos e tripulantes de cabine de vários países e poderá ainda contar com trabalhadores de handling, que estão em negociações para se juntarem ao protesto. Para já, Alemanha, Bélgica, Espanha, Holanda, Irlanda, Itália e Portugal deverão ser os países a avançar para greve.

A decisão foi tomada esta sexta-feira, depois de uma reunião em Roma entre as estruturas sindicais que representam os trabalhadores da Ryanair a operar nestes países. Segundo o Dinheiro Vivo, ainda não estão decididos os dias concretos em que a greve irá realizar-se, sendo apenas certo que será na última semana de setembro. A data será anunciada até ao dia 13 de setembro.

Até lá, haverá uma reunião entre os acionistas da Ryanair e os sindicatos esperam daí saia “alguma modificação na atuação da companhia”.

Os trabalhadores têm exigido que a companhia aérea irlandesa aplique a legislação nacional do país de origem destes trabalhadores, nomeadamente em termos de gozo da licença de parentalidade e garantia do ordenado mínimo. Para além disso, exigem que a Ryanair retire os processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo dos aviões abaixo das metas definidas pela empresa.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair enfrenta nova greve europeia na última semana de setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião