Ryanair enfrenta nova greve europeia na última semana de setembro

  • ECO
  • 7 Setembro 2018

Trabalhadores exigem aplicação da legislação nacional dos seus países de origem e retirada dos processos disciplinares por baixas médicas ou vendas a bordo aquém das metas estabelecidas pela empresa.

A Ryanair vai enfrentar uma nova greve à escala europeia na última semana de setembro, avança o Dinheiro Vivo. A paralisação vai ser levada a cabo por pilotos e tripulantes de cabine de vários países e poderá ainda contar com trabalhadores de handling, que estão em negociações para se juntarem ao protesto. Para já, Alemanha, Bélgica, Espanha, Holanda, Irlanda, Itália e Portugal deverão ser os países a avançar para greve.

A decisão foi tomada esta sexta-feira, depois de uma reunião em Roma entre as estruturas sindicais que representam os trabalhadores da Ryanair a operar nestes países. Segundo o Dinheiro Vivo, ainda não estão decididos os dias concretos em que a greve irá realizar-se, sendo apenas certo que será na última semana de setembro. A data será anunciada até ao dia 13 de setembro.

Até lá, haverá uma reunião entre os acionistas da Ryanair e os sindicatos esperam daí saia “alguma modificação na atuação da companhia”.

Os trabalhadores têm exigido que a companhia aérea irlandesa aplique a legislação nacional do país de origem destes trabalhadores, nomeadamente em termos de gozo da licença de parentalidade e garantia do ordenado mínimo. Para além disso, exigem que a Ryanair retire os processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo dos aviões abaixo das metas definidas pela empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair enfrenta nova greve europeia na última semana de setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião