Fundador do Bruegel diz que euro ainda está em risco

  • ECO
  • 10 Setembro 2018

Jean Pisani-Ferry afirma que ainda há muito a fazer pela união monetária, e que a crise ainda não foi ultrapassada. Sobre Portugal, afirma que o país foi visto de forma excessivamente negativa.

Jean Pisani-Ferry, fundador do think tank Bruegel sobre questões europeias, considera que a crise do euro ainda não terminou, e que há mudanças ainda fundamentais a fazer no euro, em termos de política monetária mas também financeira e social. Numa entrevista ao Público, o especialista sublinhou que a crise obrigou a União Europeia a agir, mas que esta ainda não terminou.

Quando introduzimos o euro, em 1999, os governos disseram: está feito. A partir de agora podemos tirar os benefícios e ocuparmo-nos de outras coisas. Não estava feito”, disse Pisani-Ferry. Para o diretor do Bruegel, falta fazer mais, em especial nos planos económico e social, para proteger os interesses e a prosperidade partilhados num contexto internacional mais difícil, para proteger a moeda única das dificuldades que surgem em períodos mais desfavoráveis.

Mesmo a Alemanha, refere, se volta mais para a Europa devido às hostilidades externas. “Alguns olhavam para os parceiros europeus como um fardo. De repente, descobre que afinal a Europa lhe é indispensável num mundo muito mais hostil, onde as relações de força se tornaram muito mais importantes”, afirma. “A América de Trump é muito mais agressiva em relação à Alemanha do que em relação a muitos outros países, por razões sobretudo comerciais.” Isso faz com que Merkel e os próprios alemães queiram voltar-se mais para o euro.

O especialista não poupou elogios a Mario Draghi e ao BCE, que se opuseram à “ortodoxia alemã” para favorecer o euro, e não uns ou outros países.

Sobre Portugal, referiu que o país contrariou “o pessimismo geral com que era encarado”, que, ficou demonstrado, era excessivo.Verifiquei recentemente que Portugal está à frente da Alemanha em matéria de crescimento das exportações, muito à frente de Espanha e ainda mais de França”, afirmou. “Ninguém nega que a recuperação nalguns países da zona euro é difícil e com custos sociais elevados – não tenho uma visão angélica da situação. Foram processos muito mais custosos do que teria sido possível fazer preventivamente e, mesmo, quando a crise foi desencadeada. Mas isso permite ser mais otimista sobre o futuro da zona euro”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundador do Bruegel diz que euro ainda está em risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião