Qual é o melhor destino para os expatriados? Portugal está no top 10

  • Rita Frade
  • 10 Setembro 2018

Há um país que, para mais de 18 mil cidadãos, continua a ser o melhor destino para os expatriados. Qual será? Portugal não é a resposta certa, mas está no top 10 do estudo da InterNations.

Qual será o melhor destino para os expatriados em 2018? Para mais de 18 mil cidadãos, a viver em 187 países ou territórios, de 178 nacionalidades, a resposta parece ser consensual… O Bahrain é o melhor país para se viver.

O país do Golfo Pérsico continua, assim, a liderar, pelo segundo ano consecutivo, o ranking do Expat Insider, da InterNations. Segue-se Taiwan (que em 2017 ocupava o 4.º lugar) e o Equador (que passou da 25.º posição, em 2017, para a 3.º).

E Portugal? Será que surge na lista? Sim. Ocupa o 6.º lugar do top 10. De acordo com o estudo, Portugal e Espanha (que se encontra em 8.º) apresentam resultados muito semelhantes: ambos estão no top 3 da “qualidade de vida” e no top 10 do tópico “facilidade em fixação”. Já no que diz respeito a “trabalhar no estrangeiro” e às “finanças pessoais” perdem pontos. Relativamente à “vida familiar”, Portugal ocupa o 9.º lugar do ranking e Espanha o 13.º.

A Suécia foi o país que mais desceu no ranking de melhor destino para os expatriados, passando do 22.º lugar, em 2017, para o 46.º, em 2018. Já o Panamá subiu 23 lugares, este ano, ocupando agora a 13.º posição.

Este estudo enumera os melhores e os piores destinos para os expatriados (num total de 68 países), tendo por base fatores, como a qualidade de vida, facilidade em fixação, trabalhar no estrangeiro, vida familiar, finanças pessoais ou custo de vida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual é o melhor destino para os expatriados? Portugal está no top 10

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião