Católica e Nova empatam em 30.º lugar nos melhores mestrados em Gestão

  • Marta Santos Silva
  • 10 Setembro 2018

Enquanto a Nova caiu alguns lugares, a Católica avançou, deixando os mestrados de Gestão destas duas universidades portuguesas empatados no 30.º lugar na lista dos melhores do mundo.

Os mestrados de gestão da Nova School of Business and Economics (Nova SBE) e da Universidade Católica Portuguesa são os mais bem colocados de Portugal no ranking mundial do Financial Times, tendo ficado empatados no 30.º lugar. Para a Católica, que subiu oito lugares relativamente a 2017, é uma vitória, mas a Nova, por sua vez, derrapou 13 lugares.

Também nos melhores 100 mestrados em Gestão do mundo encontra-se um terceiro curso português, o do ISCTE Business School, que entra pela segunda vez para o ranking do FT em 77.º lugar.

Os primeiros cinco lugares são ocupados por mestrados diferentes países incluindo várias escolas internacionais. Em primeiro lugar ficou o mestrado da University of St. Gallen, Suíça, e em segundo lugar a escola francesa HEC. A terceira posição do pódio é ocupado pela London Business School, do Reino Unido. Seguem-se várias escolas internacionais, incluindo a Essec, dividida entre França e Singapura, e também a ESCP Europa, com campus em cinco países.

Em Portugal, os mestrados da Católica e da Nova foram os mais bem colocados. O Master in Management da Católica Lisbon School of Business & Economics conseguiu a sua melhor posição nos oito anos em que é contabilizada no ranking, em parte devido à média salarial após a conclusão do mestrado, um dos fatores tomados em conta nos cálculos do Financial Times.

No critério de progresso na carreira, ou seja, o grau de senioridade e dimensão da empresa onde os graduados se encontram três anos após a conclusão do curso, o Master in Management da Católica é mesmo o nono melhor do mundo.

Do lado da Nova SBE, o derrapar de 13 lugares para empatar com a Católica em 30.º é explicado, num comunicado enviado pela escola às redações, pelo critério de progressão na carreira, que não reflete o corpo estudantil atual da Nova. “Estes resultados refletem a situação dos alunos do mestrado de gestão graduados há três anos na Nova SBE, tendo a escola quadruplicado a sua procura e o número de alunos inscritos desde 2011 nos Mestrados (43% dos quais já são internacionais)”, assinala o reitor, Daniel Traça.

O seu Mestrado em Gestão Internacional da Nova SBE, por sua vez, é o nono mais bem colocado, visto que está integrado no CEMS. “Estamos muito orgulhosos de ver o CEMS, Mestrado em Gestão Internacional, no TOP 10 mundial. A Nova SBE é, há dez anos, o único parceiro do CEMS em Portugal e uma das maiores faculdades desta aliança global, que reúne as 31 das melhores escolas mundiais”, refere no mesmo comunicado Rita Cunha, Diretora Académica dos Mestrados pré-experiência.

Do lado da ISCTE Business School, é o segundo ano no ranking do Financial Times, e o diretor José Paulo Esperança congratulou-se pela subida de sete lugares para a 77.ª posição. “A escola tem vivido uma década de desenvolvimento excecional, com crescente contribuição para a sociedade e aproximação às escolas de topo a nível mundial”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Católica e Nova empatam em 30.º lugar nos melhores mestrados em Gestão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião