António Saraiva: “A promoção da produtividade deve ser a prioridade da política económica”

Num momento em que a produtividade ainda não atingiu os níveis desejados, a CIP considera que a grande prioridade deve ser promovê-la. Só assim, as empresas podem crescer e ser competitivas.

Os objetivos são claros: tornar Portugal um país mais atrativo e as empresas mais competitivas. Para atingi-los, a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) defende que a promoção da produtividade deve estar no topo de todas as prioridades.

Elegemos a promoção da produtividade como a principal prioridade para a política económica“, disse António Saraiva, presidente CIP, durante a conferência na qual foram apresentadas as principais propostas da CIP para o Orçamento do Estado para 2019, num total de 50.

As empresas fortes são, para António Saraiva, parte fundamental da cadeia de valor e “é preciso um Governo que as entenda como tal”. “Não é possível, [por exemplo], ajustar os nossos níveis salariais com os europeus sem empresas fortes”, disse.

Para as empresas serem fortes e crescerem, de maneira sustentada e duradoura, o aumento da produtividade deve ser encarado como um fator imprescindível. De acordo com a CIP, essa promoção da produtividade só é possível concretizar-se através de um conjunto de propostas, estruturado em quatro eixos.

António Saraiva, presidente da CIPPaula Nunes (ECO)

O primeiro é promover o investimento, de seguida fomentar condições de capitalização e financiamento, em terceiro lugar, adequar o mercado de trabalho e, por último, melhorar o ambiente de negócios.

“É necessário sustentar o crescimento em bases mais sólidas e duradouras”, afirmou Pedro Capucho, economista chefe da CIP. “O crescimento, nos próximos anos, terá de vir do lado da produtividade, que é uma variável indispensável para que as empresas criem mais emprego, suportem aumentos salariais e possam aumentar as exportações“, acrescentou.

O que propõe a CIP?

Existem algumas medidas transversais aos quatro eixos que a CIP define, como é o caso do compromisso de continuidade, que Pedro Capucho considera “fundamental para a confiança de quem quer investir em Portugal”.

Para promover o investimento, a CIP propõe algumas medidas como, por exemplo, aprofundar do regime de dedução e de lucros retidos e reinvestidos, de forma a estimular o investimento baseado no autofinanciamento. Da mesma forma que sugere a diminuição da taxa de IRC e a eliminação das derramas.

O interior do país também não fica de fora das propostas. Existe uma medida específica para as empresas do interior, que estabelece que a taxa reduzida do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC) de 12,5% seja aplicada para todas as empresas que operem em território do interior, eliminando o limite de 15 mil euros da matéria coletável atualmente aplicado.

Pedro Capucho, economista chefe da CIPPaula Nunes (ECO)

Amortização, para efeitos fiscais, do goodwill financeiro, até um máximo de 5% do ano; carta de missão à Caixa Geral de Depósitos (CGD), com objetivos de crédito para pequenas e médias empresas (PME) e empresas exportadoras; e fortalecimento da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) são algumas das propostas da CIP, no âmbito do segundo eixo de atuação, fomentar condições de capitalização e financiamento.

Para adequar o mercado de trabalho, as propostas da CIP reforçam a necessidade de qualificar a mão-de-obra, com formação nas empresas e parcerias do Ministério da Educação com associações empresariais. Portugal é o país da União Europeia que apresenta a percentagem mais alta de população empregada que não completou o 12.º ano. “Para além de mais investimentos, precisamos de melhores qualificações”, afirmou Pedro Capucho.

Ainda para melhorar o mercado de trabalho, a CIP considera que é fundamental combater o absentismo, privilegiar o bem-estar e a saúde. Para isso, a Confederação Empresarial de Portugal considera importante a flexibilidade do horário laboral, de modo a permitir e facilitar as relações familiares.

Finalmente, de modo a melhorar o ambiente de negócios, a CIP recorda que “é preciso pagar a tempo e horas” e incentivar a economia digital, nomeadamente com o apoio à utilização da banda larga fixa e móvel, em particular no interior do país, onde ainda se verificam grandes carências.

País produtivo, competitivo e equilibrado

António Saraiva encara o conjunto de propostas como metas necessárias para aumentar a produtividade e acelerar o crescimento. “Um crescimento que deve ser equilibrado, sustentado e duradouro”, reforçou.

Na União Europeia (UE), além de Portugal, apenas a Grécia e o Luxemburgo registaram uma quebra na produtividade em 2017. No ano passado, apenas sete dos 28 países da UE registaram níveis de produtividade inferiores, ou muito próximos, aos de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Saraiva: “A promoção da produtividade deve ser a prioridade da política económica”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião