Vendas da Inditex crescem a ritmo mais lento dos últimos 4 anos. Mas superam os 12 mil milhões

  • Lusa
  • 12 Setembro 2018

As vendas do grupo Inditex, dono das insígnias Zara e Massimo Dutti, ultrapassaram a barreira dos 12 mil milhões de euros no primeiro semestre.

O grupo espanhol Inditex, dono da Zara e Maximo Dutti e líder mundial da venda de roupa a retalho, anunciou hoje lucros de 1.409 milhões de euros no seu primeiro semestre fiscal (fevereiro a julho), mais 3,1 % do que há um ano.

Numa informação enviada hoje à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de Valores) espanhola, a empresa galega revela que as suas vendas mundiais cresceram 3%, alcançando os 12.025 milhões de euros.

A faturação da Inditex foi reduzida com a depreciação em relação ao euro de algumas das moedas dos países em que opera, o que leva a companhia a sublinhar que o aumento das suas vendas seria de 8% se isso não tivesse acontecido.

O presidente da Inditex, Pablo Isla, destacou na informação ao mercado “a solidez de todas as alíneas das contas de resultados, como consequência da singularidade e do vigor do modelo de negócio integrado e sustentável integrado”.

De fevereiro a agosto a Inditex abriu lojas em 44 países num total de 96 em que está presente, e no final de julho tinha 7.422 estabelecimento, menos 26 do que em abril, o que reflete a política seguida de absorver lojas mais pequenas por outras de maior dimensão.

Em Portugal, o grupo Inditex tinha, em janeiro último, 6.859 pessoas empregadas, a maior parte delas a trabalhar nas suas 342 lojas com as marcas de Zara (70), Zara Kids (16), Pull&Bear (51), Massimo Dutti(42), Bershka (49), Stradivarius (44), Oysho (36), Zara Home (28) e Uterque (6).

A Inditex mantém a sua previsão de investir 1.500 milhões de euros em todo o mundo durante o corrente exercício (fevereiro de 2018 a janeiro de 2019).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas da Inditex crescem a ritmo mais lento dos últimos 4 anos. Mas superam os 12 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião