Hoje nas notícias: Montepio, Hospitais e Universidades

  • ECO
  • 12 Setembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Montepio continua na ordem do dia, quando estamos a menos de três meses de existirem eleições na Associação Mutualista. Agora ficou a saber-se que as Misericórdias, cujo plano era de investirem 48 milhões no Montepio, ainda só investiram 91 mil euros. Ainda no setor bancário, o Novo Banco colocou à venda mais de 9 mil imóveis no montante de 700 milhões de euros. Entretanto nos Hospitais, devido a uma falha na codificação informática há pequenas cirurgias a serem cobradas ilegalmente. A acusação é da Entidade Reguladora da Saúde. Nas Universidades portuguesas já se paga para ter os melhores alunos. Num curso da Universidade Nova de Lisboa são premiados com mil euros os alunos que entrem com média superior a 17 valores. Acontece que dos 56 que entraram este ano, só dois ficaram abaixo desse valor. O polémico Manuel Maria Carrilho volta à carga. Desta feita o visado é o arquiteto Manuel Salgado. Em causa está a polémica em torno da Torres das Picoas.

Misericórdias ainda só puseram 90 mil euros no Montepio

Primeiro eram 200 milhões de euros, depois passou-se para os 48 milhões de euros, mas até agora as Misericórdias ainda só foram aplicados perto de 91 mil de euros no Montepio. Ou seja, apenas 0,2% da meta planeada por Tomás Correia, que tinha afirmado que até dezembro, mês em que há eleições na Associação Mutualista (AMMG) entrariam na instituição 48 milhões. Do montante investido a maior parte, 75 mil euros, veio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Novo Banco inicia venda de imóveis por 700 milhões de euros

O Novo banco já deu o tiro de partido para a venda de uma carteira composta por nove mil ativos imobiliários avaliados em 700 milhões de euros. O banco pediu à Anchorage Capital Partners, ao Bain Capital Credit e ao Arrow Global Group, para apresentarem ofertas não vinculativas até ao início de outubro. A operação vai ser assessorada pela Alantra. Os cerca de nove mil imóveis que vão ser alienados da carteira do banco são, na sua maioria, em Lisboa e no Porto. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Hospitais cobram ilegalmente taxas moderadoras em pequenas cirurgias

Há hospitais a cobrar indevidamente taxas moderadoras aos doentes que fazem pequenas cirurgias. A conclusão é da Entidade Reguladora da Saúde, que numa recomendação enviada em abril à Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), tutelada pelo Governo, pede a clarificação da situação. Em causa está uma falha na codificação informática deste tipo de atos médicos. Leia a notícia completa na TSF. (Acesso livre)

Universidades portuguesas já pagam para ter os melhores alunos

No ensino superior oferecem-se incentivos financeiros para convencer os candidatos. No Instituto Superior de Estatística e Gestão da Universidade Nova de Lisboa, há um curso que premeia com mil euros os alunos que entrem com média de 17. Acontece que dos 56 alunos admitidos, 54 têm notas superiores a 17, o que equivale a dizer que foram gastos 54 mil euros. Mas a prática não é exclusiva da Nova. A Universidade de Aveiro também tem bolsas especiais, com o valor a corresponder ao valor da propina nacional. Leia a notícia completa no Diário de Notícias. (Acesso livre)

Carrilho ataca Salgado

Manuel Maria Carrilho volta a atacar Manual Salgado. Em causa está a polémica em torno da torre das Picoas construída em terrenos cedido ao BES por um euro. “Foram precisos 13 anos para perceber o óbvio e as suas consequências sinistras”, diz o antigo ministro da Cultura. Carrilho evoca mesmo o livro em que explica porque recursou que o arquiteto fosse o número 2 da sua lista à Câmara Municipal de Lisboa. Leia a notícia completa no jornal i (acesso pago)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Montepio, Hospitais e Universidades

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião