Governo promete continuar discussão sobre pensões antecipadas em 2019

  • Lusa
  • 15 Setembro 2018

Nas GOP, que enviou sexta-feira para o CES, o Executivo não refere quando pretende terminar o processo de revisão do regime de reformas antecipadas. O BE pretende que seja nesta legislatura.

O Governo compromete-se, na proposta sobre as Grandes Opções do Plano para 2019 (GOP2019), a continuar a revisão do regime das reformas antecipadas no próximo ano, mas não refere quando ficará concluído o processo.

No documento enviado ao Conselho Económico e Social (CES) a que a Lusa teve acesso, o executivo propõe “continuar o processo de revisão do regime de antecipação da reforma por flexibilização, com a sua discussão em sede de concertação social”, não adiantando mais sobre o assunto.

A revisão das reformas antecipadas é um tema tido como prioritário tanto pelos sindicatos como pelos parceiros políticos da maioria parlamentar no âmbito das negociações para o Orçamento do Estado para 2019, nomeadamente para o Bloco de Esquerda, que exige a conclusão do processo durante a atual legislatura.

Até agora o Governo avançou com o fim dos cortes para as muito longas carreiras, medida que entrou em vigor em outubro de 2017.

No próximo mês será dado um novo passo, com o fim das penalizações para quem tem pelo menos 46 anos de contribuições e começou a descontar para a reforma aos 16 anos de idade ou antes.

Porém, as alterações às reformas antecipadas têm ocorrido a um ritmo mais lento do que o acordado com os parceiros. Estes exigem que o fator de sustentabilidade (que este ano corta 14,5% do valor das pensões) seja eliminado para quem tem 60 anos de idade e 40 de contribuições.

Nas GOP para 2019 o Governo afirma ainda que vai “prosseguir o estudo sobre a convergência do regime da CGA [Caixa Geral de Aposentações] com o Regime Geral da Segurança Social”, lembrando que o acesso à pensão antecipada de ex-subscritores da CGA já foi aprovado pelo Governo.

Prevê-se a entrada em vigor da medida no início do quarto trimestre de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo promete continuar discussão sobre pensões antecipadas em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião