Alojamento local já ocupa 34% das casas de algumas freguesias do centro histórico de Lisboa

  • ECO
  • 17 Setembro 2018

Atualmente, na freguesia de Santa Maria Maior -- que abarca os bairros de Alfama, Mouraria, Castelo, Baixa e Chiado -- pelo menos 34% das casas são destinadas ao alojamento local para turistas.

A pressão turística no centro histórico de Lisboa está a aumentar. Neste momento, na freguesia de Santa Maria Maior — uma freguesia que abarca bairros como Alfama, Mouraria, Castelo, Baixa e Chiado — pelo menos 34% das casas são destinadas ao alojamento local, avança esta segunda-feira o Jornal de Negócios (acesso pago).

A percentagem baseia-se no número de casas destinadas ao arrendamento de curta duração, registadas oficialmente, e no universo de casas apuradas pelo INE nos Censos de 2011. O cálculo pode pecar por defeito, na medida em que exclui os alojamentos locais ilegais, ou seja, que não estão registados oficialmente.

Também na freguesia da Misericórdia — Bairro Alto, Santa Catarina e Cais do Sodré — a proporção é muito elevada. Cerca de 28% dos alojamentos familiares são destinados a turistas.

Ao contrário do que acontecia há uns anos, a pressão turística estende-se agora a outros bairros, especialmente localizados nas freguesias de Santo António (Avenida da Liberdade) e São Vicente (Graça, Santa Apolónia e Alfama). O alojamento local já pesa 15% em Santo António e 12% em São Vicente.

Arroios e Estrela, freguesias menos associadas ao turismo, começam também a ver o número de casas destinadas a turistas a aumentar significativamente.

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, já anunciou a intenção de condicionar o crescimento do alojamento local em alguns bairros lisboetas. Espera-se a entrada em vigor da nova lei que abre a possibilidade de suspender provisoriamente os novos registos e determinar percentagens máximas para as casas para alojamento local. Aguarda-se, também, que a Câmara publique um estudo sobre o fenómeno do alojamento local, que procurará medir o seu impacto na cidade de Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento local já ocupa 34% das casas de algumas freguesias do centro histórico de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião