Alojamento local já ocupa 34% das casas de algumas freguesias do centro histórico de Lisboa

  • ECO
  • 17 Setembro 2018

Atualmente, na freguesia de Santa Maria Maior -- que abarca os bairros de Alfama, Mouraria, Castelo, Baixa e Chiado -- pelo menos 34% das casas são destinadas ao alojamento local para turistas.

A pressão turística no centro histórico de Lisboa está a aumentar. Neste momento, na freguesia de Santa Maria Maior — uma freguesia que abarca bairros como Alfama, Mouraria, Castelo, Baixa e Chiado — pelo menos 34% das casas são destinadas ao alojamento local, avança esta segunda-feira o Jornal de Negócios (acesso pago).

A percentagem baseia-se no número de casas destinadas ao arrendamento de curta duração, registadas oficialmente, e no universo de casas apuradas pelo INE nos Censos de 2011. O cálculo pode pecar por defeito, na medida em que exclui os alojamentos locais ilegais, ou seja, que não estão registados oficialmente.

Também na freguesia da Misericórdia — Bairro Alto, Santa Catarina e Cais do Sodré — a proporção é muito elevada. Cerca de 28% dos alojamentos familiares são destinados a turistas.

Ao contrário do que acontecia há uns anos, a pressão turística estende-se agora a outros bairros, especialmente localizados nas freguesias de Santo António (Avenida da Liberdade) e São Vicente (Graça, Santa Apolónia e Alfama). O alojamento local já pesa 15% em Santo António e 12% em São Vicente.

Arroios e Estrela, freguesias menos associadas ao turismo, começam também a ver o número de casas destinadas a turistas a aumentar significativamente.

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, já anunciou a intenção de condicionar o crescimento do alojamento local em alguns bairros lisboetas. Espera-se a entrada em vigor da nova lei que abre a possibilidade de suspender provisoriamente os novos registos e determinar percentagens máximas para as casas para alojamento local. Aguarda-se, também, que a Câmara publique um estudo sobre o fenómeno do alojamento local, que procurará medir o seu impacto na cidade de Lisboa.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento local já ocupa 34% das casas de algumas freguesias do centro histórico de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião