Trump pode avançar com novas tarifas. Guerra comercial assusta tecnológicas em Wall Street

As bolsas norte-americanas recuam. As tecnológicas estão a ser condicionadas por expectativas de que Donald Trump implemente novas tarifas ainda esta segunda-feira.

As bolsas norte-americanas registam perdas ligeiras, num dia em que estão reforçados os receios de que Donald Trump irá avançar com novas tarifas sobre as importações chinesas, uma medida que fará escalar as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo. A proposta onde constam estes novos impostos pode entrar em vigor ainda esta segunda-feira, de acordo com a Reuters.

O S&P 500 arrancou a sessão a cair 0,06%, para 2.903,2 pontos, enquanto o industrial Dow Jones recua 0,07%, para 26.137,24 pontos. As perdas são mais acentuadas no tecnológico Nasdaq, que desvaloriza 0,20%, para 7.993,79 pontos.

As ações de algumas grandes tecnológicas estão a ser pressionadas pelas expectativas de que o Presidente dos EUA possa implementar já esta segunda-feira o novo pacote de tarifas aduaneiras sobre a China, no valor de 200 mil milhões de dólares. Pequim já ameaçou retaliar caso Donald Trump dê o passo em frente.

Neste contexto, as ações da Apple estão a derrapar 1,30%, para 220,92 dólares cada título. Outras tecnológicas, particularmente as fabricantes de processadores, também estão a ser penalizadas nesta sessão. A Nvidia recua 0,80%, para 274,22 dólares.

No setor industrial, a Boeing também está a desvalorizar, sensível às tensões comerciais com a China. A fabricante cai 0,23% para 358,97 dólares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump pode avançar com novas tarifas. Guerra comercial assusta tecnológicas em Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião