Catarina Martins não comenta escolha da nova PGR

Para Catarina Martins "é fundamental a não partidarização e independência" do Ministério Público e reconhece que mandato de Joana Marques Vidal como PGR ficou marcado por "alguns avanços".

A líder do Bloco de Esquerda não quer comentar a escolha de Lucília Gago para o cargo de Procuradora Geral da República, mas lamenta a forma como o debate público foi conduzido e a “tentativa de partidarização” do mesmo.

Em entrevista à RTP3, Catarina Martins lembrou que o Bloco sempre defendeu que não cabe aos partidos debater nomes, uma opinião que garante ter transmitido ao Governo. O mais importante, diz, são os “critérios políticos, de atuação e de Justiça”. “A capacidade do trabalho do Ministério Público e da PGR tendo muito especialmente em atenção os problemas da corrupção e do crime económico”, acrescentou a responsável que foi confrontada com a notícia de ultima hora, quando iniciava a entrevista.

Para Catarina Martins “é fundamental a não partidarização e independência do órgão“. A responsável, que recusou comentar diretamente a escolha do Presidente da República, em concertação com o primeiro-ministro, reconheceu que “o debate público não foi conduzido da melhor maneira” e que “houve uma tentativa de partidarização da recondução da Procuradora Geral da República”.

“Como disse sempre, o Bloco de Esquerda não fará esse caminho. Os nossos critérios são de combate à corrupção e ao crime económico, a imparcialidade e a independência do cargo“, concluiu Catarina Martins.

Catarina Martins admitiu que o mandato de Joana Marques Vidal como PGR ficou marcado por “alguns avanços”, apontando a abertura de processos como o do ex-primeiro-ministro José Sócrates, de autarcas do PSD ou da EDP. “Houve coisas muito positivas, outras que é preciso fazer muito”, defendeu, quando questionada sobre o mandato de Joana Marques Vidal à frente do Ministério Público

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins não comenta escolha da nova PGR

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião