Pedro Queiroz Pereira homenageado com prémio carreira a título póstumo

Os Investor Relations & Governance Awards homeagearam o empresário fundador da Semapa com o prémio Lifetime Achievement em Mercados Financeiros.

O júri dos Investor Relations & Governance Awards (IRGA), uma iniciativa de Deloitte que visa premiar as personalidades e empresas que se destacaram no ano passado, homenageou o empresário Pedro Queiroz Pereira, que morreu no mês passado em Espanha, com o prémio Lifetime Achievement em Mercados Financeiros.

“Discreto, humilde, conhecedor dos seus limites, trabalhador, (…) tornou-se num dos maiores e bem-sucedidos gestores portugueses. Separou a família da festão das empresas. (…) Criou valor e para o país que amava. Dinamizou a economia nacional, contribuiu para o crescimento económico e para a criação emprego. Ajudou a desenvolver dos mercados de capitas. Por todas estas razões, o júri, em reunião realizada a 19 de julho, decidiu atribuir o prémio Lifetime Achievement em Mercados Financeiros a Pedro Queiroz Pereira”, explicou Vítor Bento na atribuição deste galardão.

Para receber o prémio subiu ao palco as três filhas de Pedro Queiroz Pereira: Filipa, Mafalda e Lua. “O nosso pai adorava a vida e a nossa família. Por outro lado, as empresas e as outras pessoas com quem trabalhava eram a sua outra família”, começou por dizer Filipa. Pedro Queiroz Pereira “era uma pessoa que tinha a capacidade de assumir riscos, aventureira. Tinha uma capacidade de se rodear dos melhores profissionais. Não gostava de mediatismo. Costumava dizer que em todo o sucesso há uma forte componente de sorte. Hoje, se aqui estivesse, estaria a destaca-la, assim como destacaria o empenho de todos os trabalhadores do grupo”, disse ainda emocionada.

Queiroz Pereira, fundador do grupo Semapa, que controla a Navigator e a cimenteira Secil, morreu no passado dia 18 de agosto, em Ibiza, vítima de um enfarte que o fez cair de uma escadaria no seu iate.

"Pedro Queiroz Pereira era uma pessoa que tinha a capacidade de assumir riscos, aventureira. Tinha uma capacidade de se rodear dos melhores profissionais. Não gostava de mediatismo. Costumava dizer que em todo o sucesso há uma forte componente de sorte. Hoje, se aqui estivesse, estaria a destaca-la, assim como destacaria o empenho de todos os trabalhadores do grupo.”

Filipa Queiroz Pereira

Filha de Pedro Queiroz Pereira

No ranking publicado em julho pela revista Forbes, Pedro Queiroz Pereira, como era conhecido, aparecia como o quinto na lista das maiores fortunas em Portugal, avaliada em 1.129 milhões de euros. Segundo a revista Exame, era detentor de uma fortuna avaliada em 779 milhões de euros (em conjunto com a mãe), o que fazia dele o sétimo mais rico do país.

O prémio foi atribuído a título póstumo na 31º edição dos IRGA pelo júri presidido pelo economista Vítor Bento, com o colégio de jurados a ser composto ainda por António Gomes Mota, António Saraiva, Clara Raposo, Duarte Pitta Ferraz, Esmeralda Dourado, João Moreira Rato, Luís Amado, Nuno Fernandes e Patrícia Teixeira Lopes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Queiroz Pereira homenageado com prémio carreira a título póstumo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião