Com os táxis parados, procura aumenta na Taxify e na Uber

A manifestação dos taxistas esta quarta-feira levou a que mais passageiros escolhessem as plataformas eletrónicas. O ECO sabe que a Taxify cresceu até 10%. Na Uber, terá sido ainda mais.

A manifestação do setor do táxi levou à concentração de centenas de taxistas em Lisboa, que estiveram parados em protesto contra a “lei da Uber”. Do outro lado da barricada, quem beneficiou da paragem foram mesmo as plataformas eletrónicas, apurou o ECO.

Empresas como a Uber, Cabify e Taxify têm por hábito não revelar números concretos. Mas o ECO sabe que a Taxify, uma das quatro aplicações deste género com operações em Lisboa, registou um crescimento entre 5% e 10% no número de viagens esta quarta-feira face à média diária, facto que não está alheio à reduzida oferta de táxis durante o dia de protesto, disse ao ECO uma fonte do mercado. A mesma fonte disse que o crescimento só não foi superior por falta de motoristas.

Contactada, a Uber não quis avançar dados sobre a evolução do número de viagens, justificando com linhas orientadoras internacionais que impedem a empresa de revelar este tipo de informação. No entanto, face os números da Taxify, não é descabido assumir que o crescimento nas viagens da Uber esta quarta-feira terá sido superior. A empresa, que é líder de mercado em Portugal, conta com mais de 6.500 motoristas, segundo os dados mais recentes avançados pela plataforma.

Um gerente de uma empresa parceira da Uber, Taxify e Chauffeur Privé confirmou ao ECO que verificou um acréscimo no número de viagens esta quarta-feira, mas comentou que as autoridades terão impedido o acesso dos motoristas à zona do aeroporto, alegando motivos de segurança. A mesma fonte garantiu que, em determinada altura do dia, as tarifas dinâmicas da Uber terão sido suspensas, mas fonte da Uber rejeita ter sido uma medida excecional.

Outro motorista da Uber garantiu ao ECO ter sentido um grande pico de chamadas esta quarta-feira, mas notou que havia menos colegas a trabalhar, “talvez por medo”.

O ECO também pediu dados do número de viagens esta quarta-feira a Cabify: “Neste últimos dias a Cabify registou o fluxo esperado de pedidos e de viagens, registando claro picos de procura nas horas de maior fluxo nas cidades, particularmente em Lisboa”, disse fonte oficial ao ECO. Quanto ao quarto operador do mercado, a Chauffeur Privé, apenas entrou em funcionamento esta segunda-feira.

O facto de as manifestações do setor do táxi promoverem o crescimento das plataformas eletrónicas de transporte não é uma novidade. Há cerca de dois anos, em outubro de 2016, o grande protesto dos taxistas levou a aplicação da Uber a subir nas tabelas de descargas. Na App Store do iPhone, a aplicação da Uber acabou por ser a aplicação com mais downloads naquele dia.

Os taxistas estão mobilizados desde esta quarta-feira. Exigem aos partidos o envio para o Tribunal Constitucional do regulamento que legaliza as plataformas eletrónicas de transporte, como a Uber. Na visão do setor do táxi, a nova lei, que entra em vigor a 1 de novembro, promove a “concorrência desleal” e cria um novo regulamento para um mercado que já era regulado, o que, defendem, viola o princípio constitucional da igualdade.

(Notícia atualizada com reação da Cabify)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com os táxis parados, procura aumenta na Taxify e na Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião