Filho de José Eduardo dos Santos em prisão preventiva

  • ECO
  • 24 Setembro 2018

José Filomeno dos Santos é suspeito de da prática dos crimes de associação criminosa, falsificação, tráfico de influências, burla, peculato e branqueamento de capitais.

José Filomeno dos Santos, filho do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, foi colocado em prisão preventiva. A notícia é avançada, esta segunda-feira, pelo Observador, que confirmou a informação junto da defesa do antigo presidente do Fundo Soberano de Angola (FSA)

Em causa está o processo legal conhecido na sexta-feira passada, no qual José Filomeno dos Santos é acusado pelo Ministério Público angolano dos crimes de associação criminosa, falsificação, tráfico de influências, burla, peculato e branqueamento de capitais. Segundo a acusação do Ministério Público, os crimes terão sido praticados durante o mandato de José Filomeno dos Santos à frente do FSA. “Zenú” presidiu ao FSA desde 2012, ano que o fundo foi fundado, e janeiro de 2018, quando foi demitido do cargo pelo atual Presidente da Angola, João Lourenço.

A investigação gira em torno de uma alegada transferência irregular de 500 milhões de dólares para um banco britânico, que já tinha levado à constituição como arguido de Valter Filipe, ex-governador do Banco Nacional de Angola. A alegada transferência de 500 milhões de dólares terá sido concretizada pelo ex-governador do Banco Nacional de Angola, em setembro de 2017, um mês antes de se demitir do cargo, para uma conta do banco Credit Suisse de Londres.

Entretanto, o Ministério das Finanças de Angola confirmou já ter recuperado os 500 milhões de dólares, estando em posse do BNA.

Na sexta-feira passada, o filho do antigo Presidente angolano já tinha sido constituído arguido, ficando impedido de sair do país. Agora, foi mesmo detido preventivamente, juntamente com o empresário suíço-angolano Jean-Claude Bastos Morais.

Notícia atualizada às 17h45 com mais informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Filho de José Eduardo dos Santos em prisão preventiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião