Mota-Engil vai construir a segunda maior ponte de África. Negócio vale 100 milhões de euros

Construtora portuguesa forma consórcio com sul-africanos para a construção da segunda maior ponte no continente africano. Obras iniciam-se no próximo ano. Negócio vale quase 100 milhões de euros.

A Mota-Engil vai construir uma das maiores pontes em África, tendo sido atribuído ao consórcio formado pela construtora portuguesa e pela sul-africana Concor o projeto para a construção da Msikaba Bridge, na África do Sul, num negócio avaliado quase em 100 milhões de euros.

A informação foi adiantada pela South African National Roads Agency, que informa que a Mota-Engil e a Concor vão construir a segunda maior ponte no continente africano, com uma distância entre torres de 580 metros. Apenas a ponte suspensa Maputo-Catembe, no sul de Moçambique e que ficou pronta este ano, é mais extensa com cerca de 680 metros.

A agência revelou ainda que as obras para a construção da Msikaba Bridge na região da Wild Coast, na província do Cabo Oriental, deverão arrancar em fevereiro do próximo ano, projetando-se 33 meses até a sua conclusão. Mas os primeiros procedimentos para o início deste projeto deverão ocorrer já no próximo mês.

África representa o maior mercado para a Mota-Engil, respondendo por mais de metade das encomendas da construtora liderada por Gonçalo Moura Martins em 2017, que totalizavam os 5,1 mil milhões de euros no ano passado. Adicionalmente, mais de 33% da faturação que a empresa portuguesa registou em 2017 (2,6 mil milhões de euros) veio de África.

Este ano, a Mota-Engil anunciou contratos no Uganda no valor de 140 milhões de euros, para a reabilitação e manutenção de 340 quilómetros de estrada. Na Nigéria, celebrou uma parceria com a Shoreline para entrar naquele mercado.

A Mota-Engil registou uma subida de 24% do lucro no primeiro semestre do ano para os 5,4 milhões de euros.

As ações da Mota-Engil estão a ceder 1,85% para 2,08 euros. Desde o início do ano, a construtora acumula uma desvalorização de 40%, estando avaliada em cerca de 500 milhões de euros.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil vai construir a segunda maior ponte de África. Negócio vale 100 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião