Táxis decidem terminar protesto contra lei da Uber

  • ECO
  • 26 Setembro 2018

Taxistas decidiram “desmobilizar de forma ordeira”, após a promessa do PS de transferir as competências de licenciamento para as câmaras municipais.

Os taxistas em protesto em Lisboa, contra a lei das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros, decidiram esta quarta-feira “desmobilizar de forma ordeira”, após a promessa do PS de transferir as competências de licenciamento para as câmaras municipais.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, hoje “é um dia muito triste”, porque o setor ainda não conseguiu “uma vitória total”, disse citado pela Lusa. Mas o responsável assumiu a felicidade de ter mostrado “a Portugal inteiro” que a classe não corresponde à imagem que lhe é atribuída, tendo em conta a forma pacífica como decorreram as concentrações dos últimos dias.

“É uma meia vitória”, em declarações à Sic Notícias, depois do encontro dos representantes do setor na Assembleia da República. “Os contingentes e as câmaras municipais fazerem o licenciamento eram as principias causas para estarmos aqui“, explicou Florêncio Almeida que admitiu que os taxistas vão começar a desmobilizar esta noite, apesar de alguns taxistas “a quente” garantirem que ainda vão manter o protesto. “A luta está terminada por agora”, acrescentou lembrando que “os ânimos não são iguais em todas as pessoas”.

“O protesto foi convocado pelas associações que decidiram desmobilizar perante as promessas obtidas junto do Partido Socialista, por conseguinte não tínhamos outra coisa a fazer”, disse ainda. Os dirigentes do setor do táxi reuniram com o PS depois do debate quinzenal. O PS propôs hoje aos taxistas incluir no pacote de descentralização a possibilidade de as autarquias regularem o serviço de transporte de passageiros regular e ocasional.

“Não vamos fazer nenhuma alteração à lei que está em curso, que vai entrar em vigor no dia 1 de novembro […]. Não vamos pedir nenhum pedido de inconstitucionalidade”, assegurou o vice-presidente da bancada parlamentar do PS Carlos Pereira, em declarações aos jornalistas. A ideia do PS é “incluir a vontade que os taxistas têm de permitir que as autarquias tenham um papel mais regulador no que diz respeito ao transporte de passageiro”, no âmbito da discussão que está em curso sobre o processo de descentralização de serviços para as câmaras municipais.

“Achamos que é do mais elementar bom senso que o Partido Socialista também equacione incluir neste pacote da descentralização esta matéria relacionada com o serviço de transportes de passageiros regular e ocasional”, reforçou o vice-presidente da bancada parlamentar do PS, afirmando que “resta ao setor [do táxi] saber se está interessado que o Partido Socialista dê passos nesse sentido ou não”.

Questionado sobre a implementação da proposta, o socialista escusou-se a responder a questões específicas, explicando que os pormenores dessa operacionalização passam pela comissão parlamentar responsável pelo processo de descentralização e requerem uma discussão com o envolvimento das autarquias e das associações representativas do setor do táxi para “encontrar uma solução que possa ser consensual”. “Fizemos esta proposta e discutimos os princípios, mas não obtivemos resposta” dos representantes das associações de taxistas, indicou o deputado do PS Carlos Pereira.

E como o diabo está nos detalhes, Florêncio Almeida alertou para a possibilidade de os contingentes estarem em vigor quando a passagem da copetência passar para as autarquias.

Os representantes do setor do táxi têm agendada para quinta-feira um encontro no Parlamento com o PSD que também se disponibilizou para os receber.

Os taxistas estão em protesto desde dia 19, contra a entrada em vigor, a 1 de novembro, da lei que regula as quatro plataformas eletrónicas de transporte que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé, com concentrações em Lisboa, Porto e Faro.

(Notícia atualizada às 20h49)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Táxis decidem terminar protesto contra lei da Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião