Atrasos custam 100 milhões de euros à TAP

Antonoaldo Neves admite que a TAP terá de cancelar alguns voos para poder realizar outros previstos nas novas rotas. Em causa, os constrangimentos de capacidade aeroportuária em Lisboa.

Os atrasos resultantes dos constrangimentos de capacidade nos aeroportos, sobretudo no Humberto Delgado, em Lisboa, deverão custar à TAP, este ano, 100 milhões de euros, o dobro do que a companhia aérea foi obrigada a pagar no ano passado. Os números foram avançados, esta quinta-feira, por Antonoaldo Neves, presidente executivo da companhia aérea portuguesa, que falava na Cimeira do Turismo, a decorrer esta tarde em Lisboa.

Num painel onde estavam também presentes o CEO da ANA Aeroportos, o coordenador do projeto de expansão aeroportuária de Lisboa, o presidente da NAV e o presidente da ANAC, e já depois de o ministro Pedro Marques ter discursado, Antonoaldo Neves foi muito crítico da demora na abertura do Montijo como aeroporto complementar do Humberto Delgado. “Estamos muito atrasados no que diz respeito ao aeroporto. Não precisamos só de ser competitivos. Temos de ser muito mais eficientes. Estamos abaixo da média da Europa em termos de competitividade”, começou por dizer.

O presidente da TAP criticou ainda o facto de os planos das companhias aéreas serem conhecidos com grande antecedência e, mesmo assim, ainda não se ter avançado com a expansão aeroportuária. “O plano de frota da TAP está definido há anos. Já sei há três anos quais são os aviões que chegam para o ano. A lógica de necessidade de novos slots não é difícil de estimar, não só pela questão de procura dos passageiros, mas também por aqui”, apontou.

O resultado dos atrasos já se faz notar na operação da TAP. No próximo ano, a companhia aérea vai operar várias novas rotas, entre elas Chicago, Washington, São Francisco e Montreal. “Vou precisar de cancelar alguns voos, muito provavelmente, para fazer esses voos“, admite Antonoaldo Neves.

Assim, diz, o que todas as companhias aéreas querem saber é como e quando será aberto o Montijo. “Tenho muita insegurança com a questão da capacidade, até pelo custo“. Segundo o presidente da TAP, a companhia aérea é fortemente penalizada pela pontualidade, fator que tem vindo a agravar-se recentemente.

“Hoje, 44% dos voos da TAP chegam atrasados por conta do artigo 83.º, da limitação da infraestrutura no aeroporto de Lisboa. Os aviões estavam prontos para sair. A TAP pagava 50 milhões de euros por ano em constrangimentos decorrentes de atrasos por culpa da infraestrutura. Este ano, vão ser 100 milhões“, adiantou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atrasos custam 100 milhões de euros à TAP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião