Fecho da pista secundária em Lisboa dará resposta à TAP, diz a ANA

  • Lusa
  • 26 Setembro 2018

A ANA informou que o encerramento da pista secundária do aeroporto de Lisboa permitirá vários investimentos para dar resposta, por exemplo, aos novos aviões da transportadora aérea TAP.

A Aeroportos de Portugal (ANA) informou esta quarta-feira que o encerramento da pista secundária do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, permitirá vários investimentos para dar resposta, por exemplo, aos novos aviões da transportadora aérea TAP.

Aos deputados da comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, o presidente da Comissão Executiva da ANA, Thierry Ligonnière, referiu que o “fecho definitivo” da pista 17/35 é uma decisão do Estado e que um relatório do Eurocontrol garante que a infraestrutura fica com um “nível igual ou melhor” de segurança.

Esse encerramento iria permitir mais posições de estacionamento, negociar com a Força Aérea a recolocação do Aeródromo de Trânsito n.º 1 (AT1, habitualmente designado como base de Figo Maduro) “no outro lado da pista” e fazer estender o terminal 1, disse.

“Estes investimentos podem ser feitos assim que a pista estiver fechada e dar resposta às encomendas de novos aviões que a TAP tem mencionado”, afirmou.

O presidente executivo (CEO) referiu ainda que os planos da ANA, até à ampliação da capacidade aeroportuária de Lisboa, passam pela “eficiência operacional” e trabalho com as companhias aéreas, sobretudo com a TAP, dado o seu “peso muito relevante”, para “assegura uma melhor pontualidade, que é um garante de qualidade”.

O responsável recordou o recente investimento de 11 milhões de euros numa nova zona de check in.

Às questões sobre o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), alvo de críticas devido a longas filas para verificação de passaportes, o responsável indicou estar declarada a capacidade da ANA em “função das boxes e não das pessoas que estão dentro das boxes.

“O trabalho a realizar é a nível dos operadores que estão dentro das boxes, nos momentos certos, mais do que uma questão de infraestrutura”, considerou.

Sobre as taxas cobradas, Ligonnière informou que por “razões comerciais” a ANA decidiu fazer a “evolução das taxas abaixo dos seus direitos contratuais”. “12% abaixo” do máximo estipulado, precisou.

A audição desta manhã surgiu na sequência de um requerimento do Bloco de Esquerda (BE) sobre a situação da transportadora aérea Ryanair.

O CEO respondeu que a ANA não tem “responsabilidade, nem poder de fiscalização social”, e que forneceu os dados solicitados pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), na sequência de várias denúncias de substituição de trabalhadores grevistas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fecho da pista secundária em Lisboa dará resposta à TAP, diz a ANA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião