Fecho da pista secundária em Lisboa dará resposta à TAP, diz a ANA

  • Lusa
  • 26 Setembro 2018

A ANA informou que o encerramento da pista secundária do aeroporto de Lisboa permitirá vários investimentos para dar resposta, por exemplo, aos novos aviões da transportadora aérea TAP.

A Aeroportos de Portugal (ANA) informou esta quarta-feira que o encerramento da pista secundária do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, permitirá vários investimentos para dar resposta, por exemplo, aos novos aviões da transportadora aérea TAP.

Aos deputados da comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, o presidente da Comissão Executiva da ANA, Thierry Ligonnière, referiu que o “fecho definitivo” da pista 17/35 é uma decisão do Estado e que um relatório do Eurocontrol garante que a infraestrutura fica com um “nível igual ou melhor” de segurança.

Esse encerramento iria permitir mais posições de estacionamento, negociar com a Força Aérea a recolocação do Aeródromo de Trânsito n.º 1 (AT1, habitualmente designado como base de Figo Maduro) “no outro lado da pista” e fazer estender o terminal 1, disse.

“Estes investimentos podem ser feitos assim que a pista estiver fechada e dar resposta às encomendas de novos aviões que a TAP tem mencionado”, afirmou.

O presidente executivo (CEO) referiu ainda que os planos da ANA, até à ampliação da capacidade aeroportuária de Lisboa, passam pela “eficiência operacional” e trabalho com as companhias aéreas, sobretudo com a TAP, dado o seu “peso muito relevante”, para “assegura uma melhor pontualidade, que é um garante de qualidade”.

O responsável recordou o recente investimento de 11 milhões de euros numa nova zona de check in.

Às questões sobre o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), alvo de críticas devido a longas filas para verificação de passaportes, o responsável indicou estar declarada a capacidade da ANA em “função das boxes e não das pessoas que estão dentro das boxes.

“O trabalho a realizar é a nível dos operadores que estão dentro das boxes, nos momentos certos, mais do que uma questão de infraestrutura”, considerou.

Sobre as taxas cobradas, Ligonnière informou que por “razões comerciais” a ANA decidiu fazer a “evolução das taxas abaixo dos seus direitos contratuais”. “12% abaixo” do máximo estipulado, precisou.

A audição desta manhã surgiu na sequência de um requerimento do Bloco de Esquerda (BE) sobre a situação da transportadora aérea Ryanair.

O CEO respondeu que a ANA não tem “responsabilidade, nem poder de fiscalização social”, e que forneceu os dados solicitados pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), na sequência de várias denúncias de substituição de trabalhadores grevistas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fecho da pista secundária em Lisboa dará resposta à TAP, diz a ANA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião