Fintech pedem regulação. Reguladores não querem ser “radicais”

Na Semana Mundial do Investidor, as fintech estão no centro das atenções pela disrupção que trazem consigo. A inovação traz riscos, mas os reguladores preferem fazer um compasso de espera.

As fintech chegaram. E estão a mudar as “regras do jogo”, no mundo dos investimentos. Cientes disso, são muitas as que pedem para que haja regulação específica para esta nova realidade, mas os reguladores estão a evitar precipitações. É preciso “fazer o trabalho de casa bem feito antes de tomar decisões mais radicais”, considera Gabriela Figueiredo Dias.

Antecipando os resultados do primeiro Inquérito FinTech, que dá conta de que “metade dos inquiridos quer regulação específica sobre criptoativos, sobre a atividade de consultoria ou gestão de carteiras automatizadas”, sendo que 68% pede harmonização legislativa europeia para o crowdfunding, a presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) nota a “apetência por regulação”.

Se essa apetência, porque não há regulação? “Não devemos partir para ela sem que percebamos que ela é imperativa”, diz a responsável pela regulação dos mercados de capitais. “Corremos risco de diletantismo [fazer uma análise superficial], de não sermos capazes de mergulhar” no tema para perceber de que forma se deve intervir.

“É preciso fazer o trabalho de casa bem feito antes de tomar decisões mais radicais”, defende a presidente da CMVM, no lançamento da Semana Mundial do Investidor, iniciativa global promovida pela IOSCO, em que terão lugar vários eventos que vão debruçar-se, este ano, sobre as fintech.

Informação é a chave

Esta é a Semana Mundial do Investidor, mas dura mais do que uma semana normal. É “uma semana sui generis”, tendo em conta que são 11 dias, sublinha Gabriela Figueiredo Dias num evento que decorreu na CMVM, mas que contou com a presença dos representantes de oito parceiros: ASF, Banco de Portugal, APAF, APB, APFIPP, APS, Euronext e AEM.

Juntos, vão organizar um conjunto de ações focadas nas fintech que procuram despertar os investidores para esta nova realidade. “É preciso preparar tanto investidores como intermediários financeiros para um nova realidade que está a emergir, como é o caso das fintech”, diz a presidente da CMVM.

A necessidade de educação dos investidores foi também salientada por Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, bem como por José Galamba de Oliveira, presidente da APS. Há um “alinhamento grande com o nosso objetivo estratégico, que é o de ter investidores informados”, diz o representante das seguradoras.

“Há vulnerabilidades recorrentes, como é o caso do misselling. Mas há também novas vulnerabilidades decorrentes da inovação associada às fintech”, alerta a presidente da CMVM. “é preciso primeiro criar condições para que o primeiro anel de segurança funcione”, acrescenta, notando que esse anel “tem de ser construídos pelos investidores e os intermediaários financeiros”. “Os investidores têm de compreender os produtos”, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fintech pedem regulação. Reguladores não querem ser “radicais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião