Greve dos revisores suprime 388 comboios. Circulação com fortes perturbações

  • Lusa
  • 1 Outubro 2018

Os trabalhadores estão em greve pela contratação de trabalhadores. Foram encerrados 95% dos locais de venda de bilhetes e o sindicato diz que se verifica uma “adesão total” à paralisação.

Os trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP – Comboios de Portugal estão esta segunda-feira em greve pela contratação de trabalhadores, mais comboios e negociação para o contrato coletivo. A CP suprimiu, até às 12h00, 388 comboios de um total de 560 devido à greve, com o sindicato a falar numa “adesão total” à paralisação.

“A adesão é total dos trabalhadores. Apenas se estão a efetuar os serviços mínimos de comboios, registando-se 95% das bilheteiras encerradas em todo o país”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), Luís Bravo. Por seu lado, fonte da CP afirmou à Lusa que, entre as 00h00 e o meio-dia de hoje, “foram suprimidos 388” comboios de 560 previstos, dos quais 22 eram de longo curso (alfa pendulares e intercidades), 102 eram regionais, 188 eram urbanos em Lisboa e 76 eram urbanos do Porto.

Luís Bravo, do SFRCI, assinalou que “há zonas do país onde há mais composições a circular em dia normal, que é Lisboa e Porto, e aí os utentes sentirão um impacto [maior]”. “Em 1.300 que a CP prevê fazer por dia, serão afetados mil comboios” esta segunda-feira, estimou o representante. Luís Bravo adiantou que “a expectativa” do sindicato é que a situação se mantenha assim ao longo do dia, sendo esperado que os trabalhadores adiram “massivamente” à paralisação de 24 horas.

Segundo o sindicato, apenas os comboios dos serviços mínimos circularam, mas a CP – Comboios de Portugal, num ponto de situação das 8h00, indica que se cumpriram 100 ligações, 93 das quais pertenciam aos serviços mínimos. No total, estavam programados 252 comboios, o que significa que apenas se cumpriram cerca de 40% das ligações.

A greve foi convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) que criticou o Ministério das Finanças por “bloquear os acordos entre o Ministério do Planeamento, a CP e o SFRCI” e estarem, assim, por contratar “88 trabalhadores para o [serviço] comercial da CP (Revisores, trabalhadores para as bilheteiras)”.

“Por motivo de greve convocada por uma organização sindical preveem-se supressões e fortes perturbações na circulação ferroviária a nível nacional em todos os serviços”, antecipou a empresa pública em comunicado.

Na nota, a CP adiantou que podem também ocorrer supressões e perturbações ainda na terça-feira, referindo que não serão disponibilizados transportes alternativos.

“Aos clientes que já tenham bilhetes adquiridos para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Regional e Celta que não se realizem, a CP permitirá o reembolso no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação, sem custos, para outro dia/comboio”, explicou a empresa, referindo que existem serviços mínimos definidos pelo Tribunal Arbitral nomeado pelo Conselho Económico e Social.

Até às 22h00 de domingo, dos 777 comboios que deveriam ter circulado 110 foram suprimidos, disse à Lusa fonte da CP.

Em comunicado, o sindicato sublinhou que “o aluguer do material circulante para fazer face aos problemas existentes não avançou, o concurso público para compra de novos comboios ainda não foi lançado e a negociação da contratação coletiva que se iniciou na CP em 2016, está paralisada”.

O sindicato referiu que, em resposta aos seus pedidos de esclarecimento, o “Ministério do Planeamento e Infraestruturas e a CP afirmaram que o bloqueio à aplicação dos acordos se verificava no Ministério das Finanças”.

“Perante o incumprimento/bloqueio realizado pelo Ministério das Finanças aos acordos celebrados pelo Ministério do Planeamento, CP-Comboios de Portugal e SFRCI, aos trabalhadores só resta o conflito laboral, pois não se entende a política de gestão danosa que o Ministério das Finanças impõe à CP”, acrescentou o sindicato.

Assim, segundo o sindicato, por falta de trabalhadores das bilheteiras, “a CP deixa de cobrar milhares de euros”, enquanto por falta de revisores “existem comboios que transportam cerca de 900 utentes (mais de oito carruagens ou mais de uma unidade indivisível) que por questões de segurança, deveriam circular com dois revisores e circulam só com um, colocando em risco a segurança dos utentes e da circulação”.

(Notícia atualizada às 13h38)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve dos revisores suprime 388 comboios. Circulação com fortes perturbações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião