Combustíveis em máximos de mais de três anos. Gasolina acima dos 1,60 euros, gasóleo supera 1,42 euros

Fontes do setor adiantaram que o litro de gasolina sobe dois cêntimos, enquanto o gasóleo fica três cêntimos mais caro a partir desta segunda-feira. Combustíveis estão em máximos de mais de três anos.

Os combustíveis voltam a ficar mais caros esta segunda-feira, com os preços da gasolina e do gasóleo a subirem para o valor mais elevado desde, pelo menos, 2015, refletindo a escalada dos preços do petróleo nos mercados internacionais.

De acordo com fontes do setor, na gasolina, a subida deverá rondar os dois cêntimos por litro, na maior subida desde o início do ano. No gasóleo, o agravamento será de três cêntimos, representando o maior aumento desde maio deste ano.

Neste cenário, tudo aponta para que o litro de diesel, o combustível mais usado pelos portugueses, suba para os 1,428 euros na próxima semana. Já no caso da gasolina, o preço do litro deverá aumentar até aos 1,60 euros.

Para qualquer dos dois tipos de combustível, as subidas previstas para a partir da meia-noite da próxima segunda-feira, representam máximos de pelo menos desde abril de 2015, tendo em conta o histórico dos dados oficiais divulgados pela Direção Geral de Energia.

A evolução dos preços dos combustíveis reflete o comportamento do petróleo e derivados petrolíferos nos mercados internacionais durante a última semana. O barril de brent negociou acima dos 85 dólares, registo que sinalizou na passada terça-feira e que representa um máximo que não era alcançado já desde 2014. A matéria-prima tem estado sob pressão altista devido aos persistentes receios dos investidores quanto à escassez de oferta global.

(Notícia atualizada às 09h28 do dia 08/10/2018 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Combustíveis em máximos de mais de três anos. Gasolina acima dos 1,60 euros, gasóleo supera 1,42 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião