Juventus perde 10% em bolsa após acusações a Ronaldo

  • ECO e Lusa
  • 5 Outubro 2018

O título do clube de futebol da Juventus desvalorizou perto de 10% nesta sessão, na Bolsa de Milão, quando cresce o mal-estar à volta de Cristiano Ronaldo, acusado de violação nos Estados Unidos.

A Juventus entrou em campo na sessão bolsista desta sexta-feira com o pé esquerdo, mas à medida que o dia foi passando o resultado foi piorando. Após perdas em torno de 5% na primeira parte da sessão, as ações que tinham escalado desde a chegada de Cristiano Ronaldo a Turim, em julho, acabaram por fechar com um tombo de 9,92%, para 1,19 euros, num mercado em queda de 1,3%.

A polícia de Las Vegas anunciou na segunda-feira que abriu uma investigação às acusações feitas por Kathryn Mayorga, de 34 anos, que alega, numa denúncia civil, que Ronaldo a sodomizou sem consentimento em junho de 2009.

O jogador negou “vigorosamente” estas acusações, dizendo que a violação é “um crime abominável”, mas os seus principais patrocinadores começaram a fazer-se ouvir: a Nike disse estar “profundamente preocupada” e a EA Sports (editora de videojogos como o FIFA), por sua vez, falou de uma situação “preocupante”.

Ronaldo estará ausente dos próximos jogos da seleção portuguesa.

Na quinta-feira à noite, o clube sete vezes campeão italiano deu um forte apoio ao atacante Português, que contratou por 100 milhões de euros.

“Cristiano Ronaldo mostrou o seu grande profissionalismo e dedicação nos últimos meses, o que é muito apreciado por todos na Juventus, e os fatos incriminatórios que remontam a quase dez anos não mudam essa opinião”, disse a Juve, no Twitter.

Na Bolsa de Valores de Milão, a chegada de Ronaldo fez voar o título de Juventus, que foi negociado a 0,64% a 28 de junho, quando surgiram os rumores sobre a sua ida para o clube italiano.

A 20 de setembro o título subiu para 1,8064 euros (+ 180%), seu máximo histórico desde a entrada da Juve na bolsa, em 2001.

(Notícia atualizada com os valores de fecho na Bolsa de Milão)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juventus perde 10% em bolsa após acusações a Ronaldo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião