PSD apela ao Governo que cumpra recomendação da AR e desça imposto sobre combustíveis

  • Lusa
  • 8 Outubro 2018

"O Governo deve reduzir o ISP na exata medida do adicional de IVA que está a ser cobrado em excesso em 2018”, defende PSD.

O PSD apelou esta segunda-feira ao Governo para que cumpra a recomendação dos social-democratas aprovada pelo Parlamento e desça o imposto sobre os combustíveis (ISP), acusando o Executivo de estar a faltar com a palavra aos portugueses.

“O combustível atinge hoje os preços mais elevados dos últimos seis anos e, se de facto há uma parte dos aumentos explicada pelo aumento do petróleo, outra deve-se a uma opção deliberada do Governo”, acusou o deputado do PSD Cristóvão Norte, em declarações à Lusa, antes de uma iniciativa do partido numa bomba de gasolina da A5 (que liga Lisboa a Cascais), para assinalar um novo aumento.

O combustível atinge hoje os preços mais elevados dos últimos seis anos e, se de facto há uma parte dos aumentos explicada pelo aumento do petróleo, outra deve-se a uma opção deliberada do Governo.

Cristóvão Norte

Deputado do PSD

O deputado salientou que, desde 2016, “o Governo escolheu aumentar os impostos em 14 cêntimos por litro, no caso do gasóleo, e em dez cêntimos por litro, no caso da gasolina”, quando antes se tinha comprometido com o princípio da neutralidade fiscal.

Cristóvão Norte recordou que, em julho, o PSD apresentou um projeto de resolução (que é uma recomendação ao Governo, sem força de lei), aprovada na Assembleia da República que estabelecia que “o Governo deve reduzir o ISP na exata medida do adicional de IVA que está a ser cobrado em excesso em 2018”.

“O Governo, três meses volvidos não cumpriu, e o resultado é esta desproteção dos portugueses. Por força do que o Governo tinha estabelecido em 2016 com o princípio da neutralidade fiscal, os portugueses deviam estar a pagar muito menos do que o que se verifica hoje”, criticou.

Questionado se o PSD pretende tomar nova iniciativa legislativa, o deputado salientou que, com a resolução já aprovada, “o Governo tem todas as condições para, a título imediato, garantir uma redução do ISP”. “Esta nossa iniciativa visa relembrar todos os portugueses que o Governo não cumpriu com os portugueses e funcionar como uma interpelação pública para o Governo reconsiderar a sua posição nessa matéria”, apontado.

O deputado do PSD frisou que a resolução apresentada pelos sociais-democratas “respeita o equilíbrio orçamental e prevê o cumprimento escrupuloso das receitas inscritas no Orçamento do Estado para 2018”. “O PSD não quer é que o Estado cobre a mais e os portugueses paguem a mais”, afirmou, considerando que o Governo pratica neste momento “uma austeridade dissimulada”.

Interrogado se o PSD pondera apresentar, na discussão orçamental para 2019, uma nova proposta nesta matéria, Cristóvão Norte salientou que o partido está ainda a tratar de 2018. “A matéria com tradução orçamental só se colocaria para 2019. Não faz sentido estarmos a perder mais três meses com os portugueses nesta situação difícil por força do incumprimento da palavra do Governo”, defendeu.

O deputado social-democrata salientou que o OE2018 foi feito com base numa previsão do preço do petróleo em 56 euros por barril. “O preço está hoje em 84 euros. Esse diferencial faz disparar os preços, mas também a receita que o Estado cobra [em IVA]”, explicou, defendendo que o Governo deve cumprir a “neutralidade fiscal” e assegurar as receitas previstas no OE, mas também protegendo “as famílias e empresas que estão a ser atingidas por estes aumentos sucessivos”.

A partir de hoje, a gasolina teve um aumento a rondar os dois cêntimos, com o preço a fixar-se acima dos 1,60 euros por litro, e o gasóleo de três cêntimos, superando os 1,42 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD apela ao Governo que cumpra recomendação da AR e desça imposto sobre combustíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião