Tensão em Itália com juros a subirem para máximos de quatro anos

Juros da dívida italiana sobem para o valor mais elevado desde 2014 e o risco agrava-se. Itália está a desafiar Bruxelas em relação ao orçamento para os próximos anos. Investidores pouco confiantes.

Itália volta a estar no centro das atenções dos mercados esta segunda-feira, depois de a União Europeia ter reiterado a sua preocupação com as intenções do Governo italiano em relação ao orçamento. Os juros da dívida estão em escalada há várias sessões e atingem máximos de mais de quatro anos. E a pressão sente-se também na bolsa, com o principal índice do país a recuar mais de 1% com a banca a ceder terreno.

A Comissão Europeia voltou a manifestar-se hoje bastante preocupada com os planos orçamentais para os próximos três anos, isto porque vão contra os compromissos assumidos em julho. A resposta de Roma foi desafiadora no passado sábado: o vice-primeiro-ministro Matteo Salvini disse que não iria ceder face ao que propõe e até dia 15 deverá submeter a sua proposta orçamental a Bruxelas.

Juros de Itália a dez anos em máximos de quatros anos e meio

Fonte: Reuters

Neste clima de confrontação, os investidores revelam pouco apetite pelo risco no que toca a investimentos italianos. A yield das obrigações do Tesouro a 10 anos sobe mais de dez pontos base para 3,52%, o nível mais elevado desde o início de 2014. Também a diferença dos juros italianos com os juros alemães, uma medida do risco de Itália percecionado pelos investidores, agravava-se para 294 pontos base, muito perto da barreira psicológica dos 300 pontos.

Estamos um pouco surpreendidos com a dimensão da reação dos mercados obrigacionistas, mas parece que o mercado está a saltar para a conclusão de que a Comissão vai adotar uma abordagem dura quando Itália submeter o seu orçamento”, refere Antoine Bouvet, da Mizuho.

Numa carta conjunta do comissário Pierre Moscovici e vice-presidente Valdis Dombrovskis, foi transmitido ao ministro da Economia italiano, Giovani Tria, que a Comissão Europeia considera que a proposta orçamental de Itália representa um desvio significativo face ao caminho de convergência, o que é “uma séria preocupação”.

No mercado acionista, num dia de perdas na Europa, a praça de Milão destacava-se com uma queda de 1,43%. Os bancos italianos Unicredit e Intesa Sanpaolo cediam mais de 2,5%.

Por cá, o BCP também é castigado pela pressão vendedora que atinge a banca europeia. O banco perdeu 300 milhões de euros em valor de mercado na semana passada e as ações continuam em queda esta segunda-feira, seguindo em baixa de 1,54% para 0,23 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão em Itália com juros a subirem para máximos de quatro anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião